Brigas entre cães – o que fazer?

bulldog_vector_clipartBriga entre cães sempre é uma cena triste de se ver, com toda a confusão entre peludos e pessoas, tentando apartar e se perguntando como tudo aconteceu. Em geral, brigas de cães parecem “acontecer do nada” e pegam as pessoas desprevinidas. E essas cenas são muito mais perturbadoras quando acontecem com cães da mesma casa, entre “irmãos peludos”.

Há alguns dias, no Facebook do “Diário de Uma Mocinha”, um post da mãe da Bici deixou Angélica e eu pensando sobre brigas entre cães. Neste post, a Bici aparece com uma coleira tipo “peitoral de treinamento”, esclarecendo que usa sempre a coleira, mesmo fora dos passeios, para facilitar a separação das meninas em caso de briga. Mas será que o uso da coleira é mesmo a forma mais segura de separar cães durante uma briga?

O que não fazer numa briga entre cachorros

Mesmo sendo adestradora, eu nunca precisei separar uma briga feia entre cães – até porque, durante os treinamentos, eu e os tutores fazemos todo o possível para que os cães não briguem, garantindo a segurança de todos e uma boa evolução do treinamento. Mas é claro que pequenos arranca-rabos acontecem, e para isso, a melhor forma de intervir é nunca se interpor fisicamente entre os cães, nem gritar para interromper. Tentar segurar os cães no colo, bater, afastar com as mãos, pegar pela coleira ou na pele do pescoço são atitudes muito perigosas. Agindo destas formas, o que seria uma pequena faísca pode receber combustível para se tornar uma verdadeira explosão – latidos, ganidos, chacoalhões e muitas mordidas.

Em situações de brigas menos graves, geralmente um som abrupto, como uma batida na porta, um spray de ar comprimido, e em alguns casos até uma batida de palmas, pode interromper a confusão. Também é possível afastar os cães usando algo rígido, como um papelão, colocando entre os brigões. Depois de separada a briga, não é necessário (nem didático) dar broncas nos cães; o ideal é só deixá-los em local calmo, e se necessário separados até que esfriem a cabeça. Mas nada de separá-los por horas ou dias. Depois de alguns minutos eles devem ser reintroduzidos ao ambiente, de forma calma e controlada, sempre com alguém para supervisionar.

Qual é a saída para resolver brigas severas

Já em brigas mais severas, naquelas em que os cães realmente se atracam e não se soltam, a regra de não agir fisicamente ou gritando deve ser seguida à risca e em dobro! Sei que é difícil, mas é preciso pensar friamente para não se arriscar. Geralmente em brigas muito feias, é comum acontecer o que chamamos de “agressividade por transferência”. Com a excitação em alta, o cão simplesmente continua reagindo à situação, e sai mordendo à torto e à direita quem estiver por perto; e muitas vezes a vítima é justamente aquele que estava tentando apartar, e pode se machucar muito.

Então nestes casos, a saída mais fácil é tentar separar os cães usando algo rígido para afastá-los – uma tábua, uma cadeira, uma vassoura (mas não é para bater nos cachorros!!). Também é possível interromper com o fator surpresa de um jato forte d’água (um balde ou uma mangueira).

Outra saída mais arriscada, mas às vezes necessária, é conter os cães de forma mais física, pois só interromper a briga não funciona. Mas é importante lembrar que qualquer atitude mais brusca pode por a pessoa que separa em risco, por isso deve-se tentar as outras opções antes. Para tanto, uma pessoa (bastante corajosa, admito!) deve pegar o cão mais agitado pelas patas traseiras, levantando-o, o que vai deixá-lo um pouco sem equilíbrio, e rapidamente “puxar” o cão, afastando-o do outro. Para esta técnica, é importante já ter em mente uma rota de fuga para sair com o outro cão, uma vez que tudo acontece muito rápido, e mesmo tirando o cão com bastante rapidez, a briga pode voltar a acontecer.

A situação não pode ser corriqueira

Um rápido comentário que eu não poderia deixar de fazer. Lendo os comentários dos leitores da página da Mocinha, muitas pessoas se identificaram com o post e se diziam aliviadas em saber que as brigas não aconteciam só com seus pets. Vale lembrar que nenhum tipo de briga entre cães da mesma casa deve ser encarado como algo corriqueiro – não estou falando daqueles rosnados quando um cão tenta roubar o osso do outro, ou aqueles “pegas” do cão mais velho fazendo a brincadeiras dos mais novos parar. Brigas diárias não são saudáveis, não são normais e certamente podem escalar para situações onde os cães realmente se machucam!! Portanto, ao menor sinal de brigas, consulte um especialista em comportamento canino.

E uma dúvida curiosa da Angélica: brigas de fêmeas realmente são mais severas que brigas de machos? A resposta… geralmente sim. De acordo com o dr. Stanley Coren (psicólogo e estudioso do comportamento animal) existem até pesquisas que demonstraram que brigas entre fêmeas tendem a ser mais longas, perigosas e causam maiores danos, do que brigas entre machos. E também, estudos mostraram que melhoras no comportamento agressivo de fêmeas são um pouco menos pronunciadas do que em machos. Portanto, o principal é investir em educação precocemente, tanto dos cães quanto dos tutores, pois modificar o comportamento agressivo depois de instalado é muito mais trabalhoso!

*** Por Juliana Nishihashi, Adestradora e Consultora Comportamental da Cão Cidadão

12 comentários

  1. Gostei de saber, mais gostaria de ter mais informações sobre o assunto. visto que tenho três cachorros e os dois machos não se uni com o outro eles vivem separados o que faço?

  2. E as brigas entre cães que não se conhecem? Sofro todos os dias para passear com o meu cachorro,pois ele quer avançar toda vez que vê outro macho… Desde que ele apanhou numa briga quando fugiu de casa ele é assim…

  3. Eu Não Consigo Educar As Minhas… Já Pedi Pra Adestrador Me Ajudar E Continuam Brigando. São Duas Pinscher, Elas Já Perderam Os Dentes De Tantas Briga. Não Posso Fazer Carinho Nelas Porque Termina Em Briga, é Muito Triste Não Saber O Que FazeR.

  4. Vivo esse dilema em minha casa tenho três filhos de quatro patas e as duas fêmeas vivem brigando uma é maior q a outra então logo a menor mesmo por procurar sempre leva o desacerto, acho q por ciúmes, sempre procuro separar com o balde d’agua mais agora depois da última briga separei elas morro de medo pelo fato de ter visto a menor quase morta em meus braços com o pescoço todo ensanguentado. Não sei mais oq fazer!!!!

  5. Olá! Vou responder de forma única para todas vocês, pois acredito ser o caso de todas. O artigo se refere somente a situações de emergência, e de forma alguma separar uma briga – mesmo que da forma correta – vai fazer com que os cães briguem menos ou se tornem menos agressivos, tanto com cães conhecidos, como cães desconhecidos. O indicado para todos os casos, onde o histórico de brigas é grande e já houve muitos danos aos envolvidos, é buscar acompanhamento com um profissional em comportamento canino. E aqui, o detalhe que fará a diferença para melhorar o comportamento: procurem por profissionais que utilizem métodos baseados em recompensas, nunca punições físicas ou técnicas de dominação, que podem piorar o problemas. O profissional também poderá auxiliar com a introdução dos cães que vivem isolados, como no caso da Samantha.
    Para mais dicas, procurem o site da Cão Cidadão, na parte de Artigos!

  6. Esse post veio na hora certa…há duas cachorras se pegaram feio, com muito conseguimos apartar, mas as duas saíram machucadas. No dia seguinte quando fui tentar reaproximá-las elas se pegaram novamente e dessa vez foi muito pior…nada adiantava, acabei tendo que puxar o peitoral da maior senão ela ia matar a menor. Fui mordida várias vezes…saímos as três muito machucadas. Castramos a maior que ainda não tinha sido castrada, pois peguei da rua há 3 meses e estávamos primeiro dando as vacinas quando ela entrou no cio. Agora vai começar o treinamento com o adestrador. Você acha que vai resolver? Estou muito triste e preocupada com essa situação!

  7. O caso é que não podemos separar, mas tb não dá p deixar juntas sem supervisão, pq se pegam p matar e tenho uma matilha em casa, duas avançam em uma.. separar 3 sozinha, como eu faço? Até pq elas não querem parar, já fui mordida, tive braço fraturado, e elas são de porte médio.. Qual o melhor método p afastar elas de forma que elas não se rasguem no processo e nem eu?

    1. Oi Daniele! Que situação complicada, hein? Infelizmente, não existe nenhum método eficaz para separar brigas de cães, que impeça ferimentos tanto nos cães, quanto na pessoa que está tentando separar. Quando as situações são repentinas e nos pegam desprevenidos dificilmente é possível aplicar alguma técnica com precisão suficiente para evitar danos. O ideal realmente é manter os cães brigões separados, pois a cada nova briga, eles ficam mais “especialistas” em brigar – e também em como se esquivar de uma possível tentativa de separação. Em casos complexos como este, é necessária a ajuda de um ótimo especialista em comportamento (que provavelmente sugerirá que as cadelas fiquem afastadas durante o período de treino para evitar novas brigas).

Deixe seu comentário!