Vacinas, quais e quando

Carteira de vacinação do Theo. (Crédito: Angélica Pinheiro/Meu Filho Cão)
Carteira de vacinação do Theo. (Crédito: Angélica Pinheiro/Meu Filho Cão)

Ontem, o Theo foi tomar suas duas vacinas anuais: a V10 e a raiva, e, por coincidência, o jornal “Folha de S. Paulo”, publicou uma matéria que questionava a periodicidade da vacina contra raiva, que no Brasil tem de ser aplicada anualmente.

Ocorre que em alguns países, como nos EUA, os filhotes recebem doses em seus dois primeiros anos e depois o reforço é feito de três em três anos. Entrevistado, o assessor de saúde pública veterinária da Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), argumenta que o reforço anual evita possíveis surtos da doença. Já o professor de veterinária da Unesp (Universidade Estadual de São Paulo) Rafael Modolo diz que, além de reforçar a importância da imunização junto aos tutores, a vacinação anual também protege animais com diferentes sistemas imunológicos.

Para mim, as opiniões dos dois especialistas são válidas e não há como ter campanhas mais espaçadas de imunização contra a raiva no Brasil. Ainda somos, infelizmente, um país que engatinha na área de posse responsável e também com a quantidade de cães abandonados que temos, não podemos correr o risco de ter um surto de uma doença já controlada.

Eu já havia lido sobre essa polêmica de “excesso de imunização” no livro “Cão de Família”. Diz a obra que em 2003 a American Animal Hospital Association (AAHA) publicou um guia de vacinação para cães, com quais são as essenciais, as opcionais e as não recomendadas. Ocorre que antes desse estudo, os veterinários trabalhavam com a ideia de que é melhor prevenir do que remediar. Mas após pesquisas, descobriu-se que o excesso pode causar problemas de saúde. Se você quiser, pode ver o guia aqui.

Eu, orientada pelos veterinários dos meus filhos, dou anualmente duas vacinas: a de raiva e a V10. Creio que esse esquema seja o mais comum entre os donos responsáveis. Quando a DJ ia para a creche, também aplicava a vacina contra a gripe. Sabem, né, a chance de pegar esse tipo de doença em um ambiente com muitos cães é maior. Mas depois que ela deixou de ir, parei de dar, e, ainda bem, ela nunca ficou gripada.

A V10, explica o blog do centro veterinário Pet Care, é uma vacina múltipla que tem 10 antígenos vacinais de 10 diferentes vírus e bactérias que causam as principais doenças em cães. Na verdade, essa vacina protege contra sete doenças: cinomose, parvovirose, coronavirose, adenovirose, parainfluenza, hepatite infecciosa canina e quatro tipos de leptospirose, totalizando 10 diferentes tipos de antígenos, por isso se chama V10.

Já a raiva é uma zoonoze perigosa, ou seja, uma doença que pode ser transmitida do animal para o humano e, se não tratada, leva à morte. A transmissão, como muitos sabem, ocorre por meio da saliva por mordidas, lambida em feridas abertas, mucosas ou arranhões.

No município de São Paulo, a raiva está controlada, de acordo com a prefeitura, desde 1984. O proprietário pode aplicar a vacina anualmente nas campanhas que, em geral, ocorrem em agosto ou em postos fixos em qualquer época do ano. Veja onde ficam.

Esquema para os filhotes – Para os pequenos, o esquema de vacinação é mais intenso. Recomenda-se pelo menos três doses da V10 entre 45 dias e 16 semanas de vida. Depois, os reforços devem ser anuais. A vacina de raiva é aplicada aos três meses.

Ainda, para cachorrinhos que eram de canis, indica-se a vacina contra a giardíase e, para alguns casos, a contra gripe.

Para quem, como eu, resgatou um peludinho da rua é importante aplicar imediatamente a V10 e a raiva. Após 21 dias, é necessário um reforço da V10.

E, por fim, em algumas regiões do Brasil é importante imunizar contra a leishmaniose. Uma vacina desenvolvida pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a Leishmune, é referência e tem eficácia em mais 90% dos casos.

 

Deixe seu comentário!