Toddy foi à festa da Estopinha

Estopinha e Alexandre

Picture 1 of 23

A dona da festa com seu pai, Alexandre Rossi

 

No último domingo, levei meu filho baladeiro, o Toddy, à festa da cachorra mais famosa do Brasil: a Estopinha. O evento** realizado na Casa 92, na Zona Oeste de São Paulo, foi para comemorar a marca de 2 milhões de fãs na página do Facebook da vira-latinha e terá o lucro doado para duas organizações de apoio a animais abandonados, Ampara Animal e o Abrigo do Jello.

A festa teve inúmeras atrações e pela quantidade de humanos e cachorros de diferentes tamanhos, posso avaliar que foi sucesso de organização. Ao todo, havia 350 convidados humanos e 125 cães que ficaram espalhados pelos vários cômodos do espaço

Logo ao chegar, enfrentamos uma pequena fila. A demora se tornou um pouco mais incômoda por causa do sol ardido. Na fila, adestradores da Cão Cidadão, empresa do pai da Estopinha, monitoravam o fluxo oferecendo água e petiscos aos dogs e também conferindo se o tamanho do cachorro correspondia ao indicado no ingresso. Só explicando, houve um número limitado de entradas para cachorros pequenos, médios e grandes e foi necessário verificar cada ingresso para checar se o dono havia comprado o ingresso pro tamanho certo.

De cara, já percebemos que nossa balada canina ia ser divertida e também exaustiva. O Toddy, nosso galã-bagunceiro-folgado, não ficava de jeito nenhum no colo. Como estava muito quente, queríamos evitar que ele queimasse as patinhas, mas quem disse que ele parava quieto. Nem a pau, queria mesmo era ficar no chão, cheirando e montando (ai, que vergonha) em todas as cachorrinhas. Quando avistou o primeiro pote de água, não se fez de rogado e mandou logo meio litro d’água pra dentro. Abastecido, já arrumou a primeira confusãozinha, tentou montar numa vira-latinha, que, obviamente, ficou p** da vida e já deu um chega pra lá nele. Também interagiu com alguns dos adestradores, sentando prontamente pra ganhar petiscos. Figuraça.

Toddy passeando no colo na festa da Estopinha
Toddy passeando no colo na festa da Estopinha

 

Ao entramos, ele estava bastante ansioso pra cheirar tudo e todos. Em geral, ele é muito dócil com outros cachorros e também com humanos, mas na festa parecia que queria dominar o pedaço. Não podíamos vacilar que lá ia ele tentar montar nos outros convidados da espécie dele.

O local da festa era dividido em quatro espaços e apenas em um local fechado, monitorado por adestradores, era permitido soltá-los. Em todos os outros, o uso de guia e coleira era obrigatório. Bem, sempre pensando positivo, quis logo levá-lo pra fazer novas amizades no espaço livre. Até porque ele nunca tem chances de interagir livremente com outros cachorros, por questão de segurança sempre o mantemos preso nos passeios na pracinha. Decepção, o cara causou legal. Ficou doidão, correndo alucinadamente de um lado pra outro e montando, claro. Até que, em certo momento, topou com uma garota brava e foi aquela confusão.

Após uma bela bronca, retiramos o pitdog desse espaço e passamos andar com ele o tempo todo na coleira, foi quando conseguimos andar pelo restante do local e falar com outros pais e mães de cachorrinhos. Também demos entrevista! Vejam no vídeo aqui, a partir do minuto 1, o pai dele falando sobre a importância de eventos beneficentes para cachorros abandonados.

Com os humanos, foi só alegria. Ele deixa passar a mão, lambe, brinca, parece demonstrar que adora ser paparicado. As pessoas ficam encantadas com a cor diferente dele e costumam perguntar de que raça ele é. Sempre respondemos, a melhor de todas, Vira-Lata. Alguns, inclusive, reconheceram-no do perfil no Instagram :-).

As atrações e a dona da festa – Bem, voltando à festa, havia algumas atrações como uma cabine de fotos instantânesa, o salão de beleza pet e a mesa de parabéns para a Estopinha. Além de potes de água espalhados por todo o local, os dogs também podiam se deliciar com a Dog Beer, a cerveja pra cachorros (leia mais aqui), ou seja, não dava pra ficar entediado.

Quando a Estopinha chegou com a família, claro, foi aquele alvoroço. Todos parando e querendo tirar fotos com ela, os pais e o irmão Barthô. Eles passaram por todos os ambientes com o objetivo de falar com o maior número de pessoas possível. O Toddy teve uma pequena interação com a dona da festa. Ela deu uma cheiradinha nele, mas felizmente não montou nela. Foi muito rápido *rs*

Ampara Animal e Abrigo do Jello – Ao todo, foi arrecadado cerca de R$ 18 mil, essa quantia com a devida dedução de impostos, será destinada, pelo segundo ano consecutivo, à Ampara Animal, que também  foi beneficiada com o lucro de uma festa promovida pela Estopinha no ano passado (leia como foi). A instituição, que neste ano completa cinco anos, atua em diversas frentes, como promovendo eventos de doação e realizando mutirões de castração em comunidades carentes.

Já o abrigo do Jello, de onde veio o Bartho, irmão da Estopinha, é uma ONG localizada em Campo Limpo Paulista, em São Paulo, que recolhe cães e gatos abandonados nas ruas. Após castração e assistência médica os animais são destinados à doação. Na página do abrigo no Facebook você encontra alguns disponíveis.


** O evento foi organizado por Karen Braune e Vanessa Tamaso, da Braune & Tamaso Assessoria, que contaram com apoios como Bayer, Pet Mode On, Sinteglas, Cãolinária, Casa 92, Petbox entre outros. O MFC parabeniza os envolvidos!

4 comentários

  1. Pessoal, adorei o relato da participação da família Pinheiro no aniversário da Estopinha. Interessante ver o comportamento do Toddy “garanhão” e também saber da organização do evento. Muito bom!!! Um beijinho, Rafa.

Deixe seu comentário!