Posts

Cães em apartamento, por que não?

Eu poderia justificar que é possível criar cães pequenos, médios e até grandes em apartamentos com base na minha própria experiência, mas prefiro deixar a palavra para os especialistas. A respeitada RSPCA (Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals), uma organização britânica para o bem-estar animal, publicou um guia sobre o assunto que, na minha opinião, resume tudo o que se deve levar em conta para ter um cachorro em prédios.

Em primeiro lugar, você deve pensar quanto tempo terá disponível para o seu pet. Dois passeios são ideais para manter o cão saudável. Ok, nem todos conseguem, mas, ao menos, um você terá de fazer e compensar com enriquecimento ambiental. Cães sem exercício podem ficar obesos, ter problemas nas articulações, dificuldades respiratórias e por aí vai.

DJ se deliciando com um 'sanduíche' na sala do meu apartamento
DJ se deliciando com um ‘sanduíche’ na sala do meu apartamento

Além disso, são os passeios que promovem a melhor atividade mental para os cachorros. Na rua, eles exercitam a capacidade sensorial, gastam energia e se sociabilizam, ficando assim psicologicamente mais estáveis. Aliás, não são só os pets de apartamento que necessitam de passeios, cães que moram em casas também precisam passear. Animais que não saem às ruas costumam desenvolver distúrbios de comportamento, que podem se revelar em destruição de objetos, aversão a visitas e até depressão.

E eu não estou falando que passear é um dever da boca para fora. Hoje tenho três cães em um apartamento e todos os dias saio com os três, um de cada vez, para passear. Ao todo, dá, tranquilamente, mais de uma hora nessa atividade. E à noite, meu marido faz o mesmo. Trabalhoso? Sim. Mas, para nós, acima de tudo, é prazeroso.

Cachorro tem que brincar para cansar

Outro ponto tão importante quanto os passeios é o enriquecimento ambiental. Isso quer dizer que você tem de dar ao seu filho cão um ambiente desafiador e interessante. Pensa bem, imagina a sua vida sem TV, internet, livros. Chato, né? Pois é, a vida do cão também fica muito tediosa sem um brinquedinho. Mas não adianta dar só uma bolinha, se o cachorro nem de bolinha gosta. O legal é variar: ossinhos, brinquedos desafiadores como as garrafas pet, bichinhos de pelúcia, objetos de borracha, cordinhas, caixas de leite, opções não faltam.

Uma boa dica para deixar a casa ainda mais interessante é espalhar parte da comida diária pela casa. Calma, não estou dizendo para você jogar ração no seu belo sofá. Mas, você pode, por exemplo, colocar duas ou três pequenas porções de comida em cantos alternados. Uma forma de apurar o olfato, fazer um pouco de atividade e se alimentar ao mesmo tempo.

Fazer alguns comandos diariamente também é legal. Para não ter de separar ainda mais tempo, o jeito que eu encontrei foi introduzir os comandos básicos – senta, deita, dá a pata, fica – na rotina. Eles têm de obedecer comandos antes de comer, ganhar brinquedo e ir passear.

Toddy e DJ em um parque perto de casa
Toddy e DJ em um parque perto de casa

Para uma convivência saudável, também é importante delimitar e ensinar onde fazer as necessidades (veja minha experiência com o Toddy). Pode parecer óbvio, mas muitos donos, com o intuito de manter a casa limpa, ensinam o cachorro a fazer xixi e cocô só na rua. É uma armadilha. Imagina se você se atrasa ou se aparece um compromisso de última hora. É justo deixar o bichinho apertado? Claro que não. Fora que segurar muito pode causar doenças.

O jeitinho de cada um

Não existe consenso sobre uma metragem mínima que se deve ter para criar um cão. Como já deu para perceber, o importante é o tempo que o pai e/ou a mãe do cachorro terão para ele. Ou seja, criar um golden retriever num apartamento de 50 m2 é perfeitamente possível, desde que respeitadas as necessidades dele.

Mas algumas características do cão devem ser consideradas, e uma delas é se ele late muito. Essa é um traço comum de algumas raças como pinscher, yorkshire e west highland. Um comportamento que pode até ser minimizado com adestramento, porém que pode dar mais trabalho. Você também deve estar atento ao nível de energia do cão, um border colie vai demandar cinco vezes mais passeios e enriquecimento ambiental do que um pug, por exemplo. Entre meus três viras-latas, posso perceber isso claramente. Enquanto, a DJ fica imensamente satisfeita com uma volta na quadra, o Toddy poderia percorrer o bairro inteiro sem se cansar.

Como ensinar o senta

DJ, Theo e Toddy no 'senta' para ganhar petisco
DJ, Theo e Toddy no ‘senta’ para ganhar petisco

Antes de adestrar meus filhos cães, tinha uma opinião bem diferente da que tenho hoje sobre a importância dos comandos. Achava que ensiná-los aos cachorros servia simplesmente como um truque bonitinho para mostrar aos amigos. Minha visão mudou completamente quando contratei uma adestradora. Aprendi que além de fofos, os comandos são o melhor meio de comunicação entre donos e cães, além de estimular a obediência (sim, é importante).

Vamos fazer um paralelo com o mundo dos humanos. É mais legal ter um filho humano que se debate no chão por um brinquedo ou é melhor que ele saiba que para ganhar presentes tem de ter bom comportamento, como por exemplo, sempre deixar a lição de casa em dia? Claro que todos preferem a segunda situação.

É a mesma coisa com os cães. Bem melhor ter um pet que saiba que para ganhar uma bolinha ou um petisco deverá “fazer a lição de casa”. E essa lição pode ser um senta, um deita, um dá a pata, ou seja, um comando que associe bom comportamento a recompensa.

Bem, então, depois dessa justificativa, vou mostrar para vocês como ensinar o senta, um comando básico que todo cachorro deve saber.

Munido de um petisco, se posicione em frente ao seu filho cão. Segure a guloseima canina próximo ao focinho e faça um movimento levando a mão para a parte traseira dele. Ele tentará olhar para a sua mão, seguindo o petisco, e, para ficar em uma posição melhor, sentará. Assim que ele sentar, entregue a recompensa.

 

Repita o exercício algumas vezes e, assim que o seu filho já tiver assimilado melhor, introduza a palavra “senta”. Diga a palavra junto com o movimento. Assim ele aprenderá o comando gestual e verbal.

Clicker – Eu gosto de associar o clicker ao aprendizado de comandos para os meus filhos cães. O clicker é um barulho muito específico usado no adestramento de animais, que o associam com a recompensa.

Esse barulho pode ser emitido por uma caixinha plástica ou com a boca. Claro que o barulho produzido pelo objeto é mais bem feito.

Bem e por que o clicker é uma ferramenta interessante? Porque ele indica para o animal o exato momento em que ele receberá a recompensa por ter acertado o comando. Para ensinar o senta, é até possível não usar o clicker, por se tratar de um comando simples. Mas, na maioria das vezes,  o aprendizado é inviável sem o uso dessa técnica.

No senta, o click deve ser emitido assim que o filho cão encostar o bumbum no chão para sentar. Então, você clica e entrega a recompensa, mostrando que ele acertou. Legal, né?

Mercado brasileiro ganha mais marcas de antipulgas

Frontline, da Merial
Frontline, da Merial

Com a queda em domínio público das patentes que protegiam a substância fipronil, o mercado brasileiro ganhou novas marcas de antipulgas à base da substância. O fipronil é o princípio ativo do antipulgas mais conhecido no país, o Frontline, fabricado pela Merial.

De 2008 para cá, e mais intensamente nos últimos dois anos, outras empresas começaram a lançar seus produtos usando também a substância. Entre eles estão o Fiprolex, da fabricante Ceva, e o Effipro, da Virbac.

A vantagem é clara, pois com mais marcas no mercado os preços ficam mais competitivos, além de termos um leque maior de produtos para escolher. Abaixo, você pode conferir uma pesquisa de preços que fiz nos sites da Cobasi e da Pet Center Marginal.

Coça-coça – A escolha do antipulgas é bem pessoal. Claro que o bolso influencia, mas os pais do cachorro devem com a orientação do veterinário eleger o que melhor se adapta. Eu mesma não uso nos meus pets um antipulga com fipronil. O meu eleito foi o Max 3, da Bayer, que é feito com permetrina e imidacloprida. Há ainda outras substâncias que agem como antipulgas, como piriprol, por exemplo, base do Prac-tic.

Fiprolex, da Ceva e Effipro, da Virbac

Uma medida de proteção importante é sempre checar a pelagem do dog. Coceiras, vermelhidão e queda de pelo são sinais de que o cachorro pode estar infestado. Mesmo que você não ache a pulga, certifique-se que não há mordida. Às vezes, apenas uma picada, se o cão for alérgico, pode desencadear uma doença dermatológica ou outra até mais grave.

O que o fabricante do Max 3, medicamento que uso, diz é que o produto elimina 100% das pulgas presentes no cão a partir de 12 horas de aplicação. E que continua matando as reinfestantes por até 4 semanas.

Ocorre que com a chegada do verão, parasitas como pulgas e carrapatos se proliferem mais rapidamente, se beneficiando do calor e da umidade. Então, algumas vezes, é necessário que o medicamento seja reaplicado antes de um mês.

Mais uma medida a tomar é o controle dos parasitas no ambiente. Eles adoram locais quentes e úmidos como sofás e tapetes. Contra esse problema, eu uso o Fleegard, também da Bayer.

Pesquisa de preços (realizada em 29/09/2013)

  •  Frontline (top spot – 10 kg a 20 kg)

Cobasi – R$ 35,80
Pet Center Marginal – R$ 35,90

 

  • Fiprolex (drop spot – 11 kg a 20 kg)

Cobasi – R$ 32,70
Pet Center Marginal – R$ 34,90

 

  • Effipro (1 pipeta – 10 kg a 20 kg)

Cobasi – R$ 33,90
Pet Center Marginal – R$ 36,90

 

Andar de carro pode ser um drama

Vamos logo, mommy
Vamos logo, mommy

A imagem do cão com a cabeça para fora da janela do carro tomando vento no focinho deve ser uma das mais associadas à felicidade canina. Mas, na verdade, nem todos os cães amam andar de carro. E alguns apresentam reações até bem desagradáveis, como enjoos e tremedeiras, e esse foi um dos problemas que tive que resolver com a DJ.

Quando a adotei, ela tinha, segundo estimativa da veterinária, cerca de um ano. Bem claramente deu para perceber que a DJ não havia sido acostumada desde filhote a algumas situações, entre elas a andar de carro.  A primeira vez que levamos a bichinha para passear foi um verdadeiro desastre. Tinha na cabeça só a experiência com o Ozzy, que desde pequeno foi habituado a passeios motorizados, e alimentei-a poucos antes de sair. Resultado: a pobrezinha vomitou todo o jantar após uns cinco minutos dentro carro.

Era uma situação realmente preocupante. Ela, além de vomitar, tremia horrores no banco de trás, então precisava resolver rápido. Orientada pela adestradora Juliana Yuri, da Cão Cidadão, comecei o trabalho para dessensibilizar a DJ. O primeiro passo foi levá-la até o carro, entrar e não ligar o motor. Dava um petisquinho, que inicialmente ela não aceitava porque ficava nervosa, ou um ossinho, fazia uma festinha e saía. Quando ela já estava confiante, aceitando até comida, eu iniciei pequenas voltas pelo bairro e fui aumentando gradativamente a distância.

Vez ou outra, ela ainda babava. Então evitava dar comida, pelo menos, duas horas antes. Outra tática era levá-la a lugares legais de carro, como à pracinha, por exemplo.

Aos poucos, ela foi se acostumando e hoje está bem habituada. Na nossa viagem para Maresias (que eu contei aqui), ela foi super bem. Nem babou. mas para ajudá-la dei um remedinho anti-enjoo.

Já o Toddy “figura”, que nunca havia passado mal, bebeu um litro d’água na volta e ‘chamou o Juca’.  A melhor parte é que ele não queria pisar, ficou com ‘nojinho’. Tivemos de parar o carro para limpar e só depois seguir viagem. Pode?

Abaixo, um videozinho dele, que ama andar de carro. Só, esclarecendo, eles passeiam no carro sempre com peitoral e guia amarrada no banco de trás. Esse dia, demos uma “colher de chá” pra ele, deixando a guia mais solta, pois foi praticamente uma volta no quarteirão. Um sucesso essa cara peluda na janela.

Aprenda a fazer um brinquedo com garrafa pet

Hoje vou mostrar para vocês um brinquedo, simplesmente, adorado pelos meus filhos cães: a garrafa pet com petiscos.

Para fazer o brinquedo é muito simples, você só precisará de uma garrafa de plástico, petiscos e uma faca. Vamos lá:

– Lave a garrafa e retire o rótulo (passos 1 e 2).
– Em seguida, faça furos. No início, eles devem ser maiores. Mas quando o pet se acostumar ao brinquedo, diminua o tamanho para garantir a diversão por mais tempo (passo 3).
– Depois coloque os deliciosos petiscos dentro da garrafa (passo 4).
– Agora é só entregar (passo 5).

Passo a passo da montagem da garrafa
Passo a passo da montagem da garrafa

A seguir, um videozinho do Toddy  e da DJ se acabando com uma garrafinha. Pura diversão :-).

Ah, você pode substituir os petiscos por ração. É uma forma de alimentar seu filho e, de quebra, garantir que ele faça exercício mental