O que você precisa saber sobre filhotes

Glinis e Moti, os meus filhotes :-)
Glinis e Moti, os meus filhotes 🙂

Filhotinho é fofo e todo mundo gosta. Conquista com os olhinhos pidões, o jeito desengonçado, os pulinhos pra ganhar atenção, as mordidinhas durante a brincadeira e durante um tempo conseguem fazer tudo o que querem. Mas é só passar um tempo, e alguns desses comportamentos passam a ser extremamente desagradáveis, o que faz com que muitos tutores percam rapidamente a paciência com aquele filhotinho que antes era tão fofo e engraçadinho.

A chave do sucesso pra lidar com filhotes é ter limites, regras e rotinas desde o início. Assim que o bebezinho chega, a gente pode fazer uma listinha (e não digo no sentido figurado não, é literalmente) das coisas que devemos ensinar ao filhote e da rotina que precisamos manter. Tudo isso dá um pouco de trabalho, mas é fundamental para não ficarmos de cabelo em pé quando o filhote começa a crescer e as dificuldades em controlá-lo aumentam – e aumentam mesmo!

Essa listinha, pra mim, deve ser composta de alguns itens básicos, como por exemplo:

Coisas para treinar diariamente
– Sociabilizar o filhote com o ambiente externo, levando-o por 10 minutos até a rua no colo e deixar que ele veja as coisas enquanto se alimenta com grãos de ração
– Treinar o filhote a usar coleira, ser penteado e examinados nas patas, orelhas, boca e barriga, sempre usando petisco ou ração para recompensá-lo
– Ensinar o filhote a brincar com seus brinquedos e não com as mãos das pessoas
– Comandos básicos: senta, deita, fica e vem (esses comandos devem ser treinados e usado sempre que o filhote for ganhar alguma coisa, seja sua ração ou um brinquedo novo)

A listinha da rotina diária eu sempre recomendo, porque muitas vezes os problemas de comportamento aparecem no filhote simplesmente porque a gente não se programou como deveria para acomodar as necessidades naturais desse filhote, como necessidade de objetos para roer, necessidade de fazer exercícios, necessidade de horário para se alimentar.

Então, a listinha da rotina diária ficaria mais ou menos assim:
7h – ração do café da manhã + caixa de papelão para destruir (pois o filhote ainda não foi vacinado e não pode passear para gastar energia)
11h – ganhar um osso ou jogar bolinha
13h – ração do almoço dentro da garrafa pet (para que ele coma se exercitando)
18h – treinar os comandos básicos com a ração do jantar (para aproveitar esse alimento e dar como recompensa aos comandos)
20h – fazer a sociabilização externa com o filhote
22h – treinar a adaptação à coleira, pente e manipulação

“Xiiii… Mas eu trabalho o dia inteiro, não tenho como brincar às 11h, ou dar a garrafa pet às 13h!” Então, faça a programação de acordo com suas rotinas, mas sempre pensando em oferecer as atividades para o cãozinho; você pode deixar a garrafa já recheada com ração num cantinho para ele descobrir durante o dia, e esconder o ossinho na caminha para ele roer quando tiver vontade. O importante é dar o que o filhote precisa.

NOSSA!! Quanto trabalho, não é mesmo? Pois ter um filhotinho em casa é o mesmo que ter um bebê humano: requer tempo, dedicação e paciência! Não podemos esquecer que o filhotinho depende totalmente da gente, para aprender o que é certo e errado e principalmente para ter interação social e atividades. Por isso, sempre explico que é utópico querer que um filhote passe pela infância com pouco contato social, sem atividades adequadas e sem o treinamento feito pelos membros da família, e ainda cresça equilibrado e educado!

Tudo depende do trabalho dos donos, das rotinas que vão ser aplicadas por eles e acima de tudo, da sua persistência e paciência. O trabalho do adestrador ou consultor comportamental é auxiliar a organizar essa rotina da melhor forma pra família, e principalmente para o filhote.

Outras dicas que acho fundamentais para lidar com a fase exploradora e destrutiva (embora adorável!) dos filhotes:
– não deixar o filhote solto na casa quando não estiver perto para supervisionar. O filhote explora, brinca e destrói, e sem ninguém para balizar seu comportamento, com certeza vai brincar com o que não deve. Deixe para soltá-lo quando estiver próximo, pra poder orientá-lo, dar o brinquedo certo e impedir que mexa nas coisas erradas.
– não ensine o filhote a brincar mordendo ou fazer “lutinha”, o que vai deixá-lo muito excitado e achando que pode brincar fisicamente com as pessoas. Depois de mais velho, essas brincadeiras passam a ser inaceitáveis, pois machucam de verdade, mas na cabeça do cachorro é assim que ele deve brincar, pois aprendeu isso na infância, e o pior, com o próprio dono!

Então, não encoraje na infância o que você não quer na fase adulta!

– ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL, ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL. Não cansamos de falar dos benefícios dele! Tem até artigo no blog.
– sociabilização precoce. Vou fazer em breve um artigo que explica direitinho o que é e como fazer, mas basicamente, precisamos expor de forma gradual e positiva nossos filhotinhos, com idade entre 45 dias e 3 meses, a todos os estímulos possíveis, para que ele vá se acostumando aos poucos a todas as coisas com as quais conviverá no futuro. O segredo é fazer com segurança (levando no colo), delicadamente (em horários mais calmos e locais com menos estímulos, por pouco tempo) e positivamente (usando petiscos para recompensar).

Ter filhote dá trabalho. E muito prazer! E alegrias imensas! Mas com rotina e organização, tudo fica mais fácil, eu garanto!

*** Por Juliana Nishihashi, Adestradora e Consultora Comportamental da Cão Cidadão

2 comentários

  1. Oi tenho 2 cadelinhas de 1a e 2 meses e elas já ro eram todos os rodapés e algumas paredes, ms tenho mais dificuldade em diminuir a fome e agressividade ao passear da maltês e fazer a York e a maltês fazerem xixi no tapete fora do piso se madeira. Como posso contratar seus serviços de adestramento? 11 999807103

Deixe seu comentário!