Como a DJ vem enfrentando o câncer

 

Muitas pessoas vêm me perguntando como tem sido o tratamento da DJ contra um câncer no sistema linfático e resolvi dividir com vocês um pouco dessa experiência. Em poucas palavras, posso resumir que não tem sido fácil, mas também não tinha expectativa que fosse. O tratamento é caro, demorado, resulta em alguns efeitos colaterais e tem como objetivo prolongar a vida dela com qualidade. Sim, prolongar. Não há chance de cura, infelizmente.

Alguns podem se perguntar: por que você, então, está gastando tanto tempo e dinheiro nesse tratamento? Simples, porque ela é minha filha e não a deixaria nunca definhar até morrer. Além disso, cada dia a mais com ela é precioso para mim e para o meu marido.

Bem, falando sobre o tratamento. Ao todo, nessa primeira fase do combate ao câncer, o protocolo indicado pela médica veterinária indica 16 sessões de quimioterapia, com aplicações que duram de 20 minutos a uma hora. O tipo de droga injetada é que determina o tempo que o animal tem de ficar conectado ao soro. Antes de todas as sessões, ela também é submetida a exames de sangue para avaliar a eficácia do tratamento. Ou seja, a bichinha ta mais furada que uma peneira. Tadinha 🙁

DJ durante sessão de quimioterapia
DJ durante sessão de quimioterapia

 

Até agora ela já fez nove sessões de quimio, e tivemos uma boa notícia: o câncer não se espalhou para órgãos do sistema digestivo. Com isso, o tratamento será quinzenal. Essa avaliação foi feita após uma série de exames realizados após a 8a. sessão.

Efeitos colaterais – Apesar dos cachorros serem mais resistentes aos medicamentos da quimioterapia, claro que há alguns efeitos colaterais. A DJ até agora já apresentou, ao menos, três deles: diarréia, vômito e uma pequena queda de pelos. Para combatê-los, ela toma pelo menos dois medicamentos após as sessões, Vonau e Omeprazol. Mas lá no começo do tratamento ela chegou a ingerir seis drogas diferentes. Haja estômago!

Temos também de tomar outros cuidados. Ela não pode mais tomar banho em pet shops e os passeios estão restritos por conta da baixa imunidade. Isso quer dizer que a DJ não pode ter contato com cachorros estranhos, pois não sabemos as condições de saúde deles.

Além disso, a alimentação está bastante limitada. Qualquer alimento diferente que ela venha a comer pode causar diarréia, então, precisamos evitar que isso aconteça.

Por enquanto basicamente é isso. Torçam, mandem energias positivas, orem para São Francisco para que a minha bichinha ainda fique um um bom tempo entre nós. #forçaDJ

 

 

3 comentários

Deixe seu comentário!