#saudadesDJ

    DJ era muito inteligente

Há exato um ano nossa princess deixava esse mundo e só agora me sinto razoavelmente confortável para contar como foi sua partida.

Cada um lida de uma maneira com o luto, uns choram, outros endurecem, alguns têm de falar muito, outros preferem o silêncio. Eu escolhi a última opção, falei pouco sobre a morte dela, fiz um pequeno post no blog e só. Foi o jeito que me senti confortável, queria naquele momento me lembrar dela com vida e não falar sobre a doença ou os últimos dias.

A DJ partiu sem praticamente sofrer. Já havia um ano que ela fazia quiomioterapia contra um linfoma. Após 7 meses de tratamento, que compreendeu um ciclo inteiro de quimio, o tratamento foi suspenso. A esperança era que após esse período o câncer demorasse a dar sinais de retorno. No entanto, infelizmente, não foi isso que aconteceu e menos de dois meses depois ela já teve de retomar o tratamento.

O linfoma é um tipo de câncer muito agressivo para os cães. A ótima Dra Karine Germano, que atendeu a DJ logo no início, nos alertou sobre a expectativa de vida de cerca de um ano. São raros os casos em que o animal dura um pouco mais. Claro que nos apegamos à esperança de que ela viveria mais e nos dedicamos todos os dias para que ela prolongasse sua estadia aqui.

Os últimos dias – Porém, em julho ano passado, exatamente um ano após o início do tratamento, a DJ teve uma piora significativa. Eu e o pai dela estávamos fora de SP. Ela e os irmãos ficaram sob os cuidados dos avós, que são muito atenciosos e de pronto notaram que ela não estava bem. Entramos em contato com a também ótima Dra Juliana Cirillo, que foi a médica responsável por cuidar da DJ nesse período, e ela nos orientou que a nossa filha fosse levada ao hospital Animaniacs.

Visita à DJ no hospital

Adiantamos nossa volta para SP para o mesmo dia, e logo ao pisarmos na cidade fomos direto para o hospital. Ao nos ver, ela ficou muito feliz. Apesar de debilitada, teve um sopro de vida. Tentou abrir a cancela da gaiola. Quando foi solta, pulou, nos lambeu. Foi difícil deixá-la lá internada.

No dia seguinte, levamos comidinha da vovó porque ela se recusava a comer e até tentou morder uma das veterinárias plantonistas, acreditam? Fiquei super animada, afinal a brabeza era marca registrada da minha menina e pra mim se tratava de sinal de melhora.

Ela ganhou alta na quarta-feira para nossa felicidade. Voltou pra casa, reviu os irmãos, dormiu na caminha dela, porém, começou a ter falta de à noite e teve de ser internada às pressas novamente.

Na quinta-feira, fomos visitá-la na hora do almoço e ela já estava mal, entubada numa maca. Senti um aperto no peito como já me preparando para o pior. A veterinária, no entanto, disse que ainda havia esperança e novos exames seriam feitos para tentar a melhor saída possível.

O Toddy a admirava muito

Porém uma hora depois pediram que a gente voltasse. Ao chegar ao hospital, a DJ já estava em choque e teve uma parada cardíaca. Tive a oportunidade de tocá-la ainda com vida e então ela se foi. Não consigo descrever o sentimento daqueles minutos. Uma parte do meu coração partiu junto com ela, com a minha preferida, com a minha menina.

Só depois de algum tempo, tive serenidade pra entender que fizemos o melhor. Que do dia que a resgatei da rua até o dia da sua partida ela viveu os melhores momentos da vida dela.
Hoje fica a saudade de conviver com uma cachorra ímpar: inteligente, de personalidade marcante e extremamente carinhosa com aqueles que ela amava.
Não vai ter outra DJ na minha vida. Ela foi única e será lembrada todos os dias até eu reencontrá-la novamente.

 

Meu Filho Cão de cara nova

Novo logotipo do MFC. Amamos <3
Novo logotipo do MFC. Amamos <3

Olá tios e tias, olha a gente de volta e com novidades: o blog ganhou uma cara nova. Deem uma olhada como nosso logotipo ficou fofo <3. Os avatares das categorias também estão demais.

Agora, se você estiver no celular, basta acessar o menu acima do logo para navegar pelos assuntos Alimentação, Causa Animal, Comportamento, Dia a Dia & Diversão, Produtos e Saúde.

icone-alimentacaoEm Alimentação, encontre posts sobre tudo que vai para a nossa barriguinha. Huuuum! Tem reportagem sobre alimentação natural, petiscos, ração e até receitinhas.

icone-causa-animalJá em Causa Animal, a gente fala de um assunto muito sério, a situação dos doguinhos carentes e que estão pelas ruas. A ideia é ajudá-los a encontrar uma família bem bacana, igual a nossa.

icone-comportamentoAh não esquecemos de abordar os nossos probleminhas de Comportamento e indicar soluções para melhorar a convivência com as nossas mommies, papitos e também com outros doguinhos. Sabiam que problemas de comportamento são uma das principais causas de abandono? Triste, né? Vamos contribuir para mudar isso.

icone-dia-a-dia-diversaoNa categoria Dia a Dia & Diversão tudo o que a gente apronta em casa e na rua. Vem aumentando o número de bares, restaurantes e lanchonetes que aceitam os catioríneos, para nossa felicidade. Além disso, eventos produzidos especialmente para os dogs estão cada vez mais frequentes.

icone-produtosEm Produtos, falamos de … produtos :-P. A mommy está sempre antenada às novidades que chegam ao Brasil e somos grandes testadores, sempre prontos a experimentar novidades. Alguém quer nos contratar?

icone-saudePor fim, mas não menos importante, temos a categoria Saúde. Uma seção em que abordamos além de doenças, métodos preventivos que podem garantir mais anos em nossa companhia.

Esperamos que vocês gostem dessa nova fase do MFC. Prometemos caprichar 😉

Theo, Toddy, Paçoca, DJ (in memorian), Ozzy (in memorian), mommy e papito.

 

O câncer da DJ voltou

DJ voltou a fazer quimioterapia
DJ voltou a fazer quimioterapia

 

Os pais e mães de peludinhos que sofrem de câncer passam por diversos momentos difíceis, desde que recebem a notícia da doença até a partida dos seus filhos. Nesse meio tempo, uma situação bastante penosa para o tutor ocorre quando, como dizem os médicos veterinários, há a recidiva da doença ou, em palavras mais claras, quando o câncer volta após tratamento ou cirurgia. Foi o que aconteceu com a DJ.

A princess passou pela última sessão de quimioterapia no dia 7 de janeiro. De lá para cá, o estado de saúde dela vinha sendo monitorado com exames mensais de sangue e de imagem, além da consulta clínica, em que a veterinária apalpa alguns pontos-chave, como pescoço e coxas, para saber se houve aumento dos gânglios linfáticos. Infelizmente, na última consulta, além de uma baixa acentuada nas plaquetas, a veterinária também detectou que os linfonodos estavam aumentados na parte traseira das patas.

A solução apresentada pela médica foi retomar a quimioterapia seguindo outro protocolo, junto com a administração de Prednisona para ajudar no aumento das plaquetas. As primeiras drogas quimioterápicas aplicadas na DJ eram injetáveis. Ao todo foram 16 sessões distribuídas em seis meses. Agora a quimioterapia será via oral. De acordo com a médica, trata-se de um protocolo mais agressivo contra o câncer, porém com efeitos colaterais mais acentuados,  mais vômito, diarreia e pode até haver comprometimento da função hepática.

No dia 25 de abril, a DJ foi submetida à primeira sessão de químio dessa nova fase. Nesse dia, ela ainda recebeu drogas do protocolo antigo para ajudar no aumento das plaquetas, que ainda estavam baixas. Nessa semana, ela já estava melhor e começou a receber o outro tipo de quimioterapia.

Efeitos colaterais – Infelizmente, após a sessão do dia 25 a DJ teve fortes efeitos colaterais, uma diarreia severa e vômito baquearam a bichinha. Inicialmente, por orientação da veterinária, administramos Floratil e um antibiótico. Porém, após dois dias de medicação, não houve melhora e tivemos de levá-la para tomar soro e medicação na veia.

Mas a DJ é porreta mesmo. Com esse procedimento, em um dia ela já estava super esperta e com apetite. Torçam por ela. #forçaDJ

 

Hospitais e clínicas que atendem cachorros com câncer

DJ durante sessão de quimioterapia no Hemovet
DJ durante sessão de quimioterapia no Hemovet

 

Depois que eu passei a compartilhar a história do tratamento da DJ, comecei a receber muitas perguntas de mães de peludinhos que também estão enfrentando câncer. Uma das dúvidas mais comuns é onde conseguir atendimento gratuito ou mesmo de baixo custo. Já outras pedem indicações de veterinários especializados, mesmo que o custo seja mais alto.

Resolvi, então, criar uma lista nacional de clínicas particulares e hospitais universitários que atendem cachorros com câncer. Trata-se de um guia baseado em uma pesquisa na internet. Dos hospitais e clínicas relacionados, os que eu posso indicar são o Hemovet e o Provet, onde a DJ é atendida pelas doutoras Juliana Cirillo e Karine Germano. Excelentes profissionais.

Também tive uma boa experiência no Hospital da Metodista com o meu saudoso Ozzy, que não teve câncer, mas que tratou lá problemas nos rins, de pele e de tiróide. Na Metodista, vi muitos cachorros que eram atendidos por causa de tumores.

Essa não é uma lista fechada. Se você já tiver levado seu filho cão a outra clínica ou hospital universitário compartilhe com a gente. Espero que esse guia ajude muitas famílias a encontrarem o profissional certo pro seu filho cão.

LISTA NACIONAL DE CLÍNICAS E HOSPITAIS

Acre – Rio Branco
Sem registros 

Alagoas – Maceió
Clínicas particulares
Seve
Rua Goiás, 457 – Farol
(82) 3336-6611
http://www.seve-al.com.br

Associação Neafa
Rua dos Bandeirantes, 504, Farol
(82) 3221-0193
http://neafa.org.br/

Amapá – Macapá
Sem registros

Amazonas – Manaus
Sem registros

Bahia – Salvador
Clínica particular
Pet Doc
Rua São José de Cima, 24, Barbalho
(71) 3243- 0217
http://petdocveterinaria.com.br/

Semeve
Ladeira do Acupe, 50 – Brotas
(71) 3357-9159
http://www.semeve.com.br/

Universidade
Universidade Federal da Bahia (UFBA)
Rua Ademar de Barros, 500 – Ondina
71 3283-6738
http://www.veterinaria.ufba.br/?page_id=93

Ceará – Fortaleza
Clínica particular
Vetclinic
Av. José Bastos, 6360, Parangaba
(85) 8819-5109 / 3232-5108
http://vetclinic24horas.com.br/

Universidade
Universidade Estadual do Ceará (UECE)
Av. Dr. Silas Munguba, 1700, Campus do Itaperi, Bloco E
(85) 3101-9855
http://www.uece.br/favet/index.php/hospital-veterinario

Distrito Federal – Brasília
Clínica particular
CEV
Cond. San Diego Rua 01 Lote 28, Jardim Botânico
(61) 3427 2282
http://www.cevbrasilia.com.br/

Hospital Veterinário Dr. Antônio Clemenceau
SAIS s/n Lote 14, Setor Sul
(61) 3245-1907
http://www.hospitalclemenceau.com.br/

Universidade
Universidade de Brasília (UnB)
Campus Plano Piloto
(61) 3107 2801
http://www.unb.br/servicos/para_a_comunidade/medicina_veterinaria

Espírito Santo – Vitória e Vila Velha
Clínica particular
Dra. Ana Cristina Ladeira
Av. Hugo Viola, 295 – Lj 02, Jardim da Penha
(27) 3345-8988 / 99982-0648

Universidade
Universidade Vila Velha (UVV)
Campus Nossa Senhora da Penha, Boa Vista, Vila Velha
(27) 3421.2000
http://www.uvv.br/news/2593/hospital-veterinario.aspx

Goiás – Goiânia
Universidade
Universidade Federal de Goiás (UFG)
Rodovia Goiânia – Nova Veneza, km 8, Campus Samambaia
(62) 3521-1587 / 3521-1596
https://hospitalveterinario.evz.ufg.br/p/2880-servicos

Maranhão – São Luís
Universidade
Universidade Estadual do Maranhão (UEMA)
Cidade Universitária Paulo VI, UEMA
(98) 3245-2688 / (62) 3521-1596
http://www.uema.br/

Mato Grosso – Cuiabá
Universidade
Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Av. Fernando Corrêa da Costa, nº 2367, Boa Esperança
(65) 3615-8000
http://www.ufmt.br/ufmt/site/secao/index/Sinop/4072/836

Mato Grosso do Sul – Campo Grande
Clínica particular
Pronto Dog
Av. Raul Pires Barbosa, 795 – Chacara Cachoeira II
(67) 3306 – 7611 / 3306 – 7612 / 9202 – 4640
http://www.clinicaprontodog.com.br/a-clinica/equipe-tecnica

Universidade
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Avenida Senador Felinto Müller, n° 2443, Vila Ipiranga
(67) 3345-3610 / 3345-3611
http://www.primeiranoticia.ufms.br/ufms/hospital-veterinario-universitario-e-uma-alternativa-as-clinicas-parti/308/

Universidade Católica Dom Bosco
Avenida Tamandaré, 6.000
(67) 3312-3809
http://site.ucdb.br/campus/3/hospital-veterinario/512/

Minas Gerais – Belo Horizonte
Clínica particular
São Francisco de Assis
Rua Espírito Santo, 2143 – Lourdes
(31) 3292-9900
http://veterinariasaofranciscobh.com.br/servico/oncologia

VetMaster
Rua Póvoa de Varzim, 480, B. Ouro Preto
(31) 2552-0011 / 2526-0602
http://veterinariavetmaster.com.br/portal/service/oncologia/

Associação Bichos Gerais
Rua Patriarca, 867, Ipiranga
(31) 30862415 / 34811968 | WhatsApp 8979-5784
https://www.facebook.com/abichosgerais

Triovet
Avenida Aspirante Mega, 1290, Bairro Jaraguá, Uberlândia
(34) 3086-1146
https://www.facebook.com/Centro-Veterin%C3%A1rio-Triovet-24-horas-540814365977442/

Universidade
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Avenida Antônio Carlos 6627, Campus Pampulha
(31) 3409-2000 / 3409-2276
http://www.vet.ufmg.br/comp/exibir/12_20110218140600/hospital_veterinario

PUC – MG
Avenida Dom José Gaspar, 500, Coração Eucarístico
(31)3319-4444
http://www1.pucminas.br/destaques/index_interna.php?pagina=591

FEAD
Rua Otílio Macedo, 12, Olhos D’água
(31) 4009-0987
http://www.fead.br/institucional/unidade/campus-pilar

Universidade Federal de Viçosa
Avenida PH Rolfs, s/nº, Campus Universitário – Viçosa
(31) 3899-2312
http://www.dvt.ufv.br/?page_id=534

Pará – Belém
Clínica particular

Oncohope
Avenida Marquês de Herval, 1125
Tel: (91) 2121-0664
https://www.facebook.com/clinicaoncohope/?fref=ts

Universidade
Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)
Avenida Presidente Tancredo Neves, 2501, Terra Firme
(34) 3218-2242
https://portal.ufra.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=33&Itemid=577

Universidade Federal do Pará (UFPA)
Avenida dos Universitários s/n – Campus de Castanhal
(91) 3721-4156 / (34) 3218-2242
http://www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=4306

Paraíba – Patos
Universidade
Hospital Veterinário (HV) de Patos/CSTR/UFCG
Avenida Universitária, s/nº, Santa Cecília
(34) 3218-2242
http://www.cstr.ufcg.edu.br/hospital_veterinario.htm

OBS: João Pessoa sem registros

Paraná – Curitiba
Clínica particular
Oncovet
Rua André Zanetti, 144, Vista Alegre
(41) 3024-3443
http://oncovet.com.br/

VetDerm
Rua Frederico Cantarelli, 198 loja 04, Bigorrilho
(41) 3042-5332
http://vetdermcuritiba.com.br/

HVB – Hospital Veterinário Batel
Rua Bruno Filgueira, 501, Batel
(41) 3039-6644 /  8835-2013
http://www.hvbatel.com.br/

Oncobicho Oncologia Veterinária
Rua Apterix, 310, Arapongas
(43) 8401-6346 / 9130-0229
* As veterinárias também atendem em outras cidades do norte do PR

Universidade
Universidade Federal do Paraná (UFPR)
Rua dos Funcionários, 1.540, Juvevê
(41) 3350-5616 / 3350-5785
http://www.ufpr.br/portalufpr/hospital-veterinario/

Pernambuco – Recife
Universidade
Hospital Veterinário da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos
(81) 3320-6410 / 3320-6411
http://www.ufrpe.br/br/content/hospital-veterin%C3%A1rio-0

Piauí – Teresina
Universidade
Universidade Federal do Piauí (UFPI)
Rua Dirce Oliveira, Ininga
(86) 3215-5538
http://www.ufpi.br/noticia.php?id=18881

Rio de Janeiro – Rio de Janeiro e região
Clínica particular
OncoPet
Shopping Barra Medical
Av. das Américas 505 – Loja N
(21) 2484-9031 / 99129-2918
http://www.oncopetveterinaria.com.br/

Inpa
Rua Santa Clara, 327-A – Copacabana
(21) 3253-4405 / 3253-3046 2549-6230 / (21) 2547-4405
http://www.inpa.com.br/

Canne & Gato
Rua Radmacker, 20 | Tijuca
(21) 2293 0953/ 21 2213 1923
http://www.cannegatto.com.br/

Universidade
UFF HUVET – Hospital Universitário de Medicina Veterinária Professor Firmino Mársico Filho
Rua Vital Brasil Filho, 64, Niterói
(21) 2629-9505 / 2635-6183
http://www.uff.br/

Universidade Unigranrio
Rua Passos da Pátria Nº 261 Lj. A – 25 de Agosto – Duque de Caxias
(021) 2672-7728 / 3652-0282
http://www.unigranrio.br/Paginas/servicos-proce.aspx

Centro Estadual de Medicina Veterinária – Jorge Vaitsman (UJV)
Avenida Bartolomeu de Gusmão, 1.120, São Cristóvão
(21) 2635-6183

Centro Universitário Plínio Leite (Unipli) – Campus Itaboraí
Estrada Cabuçu, s/n – Caluge – Itaboraí
(21) 2635-6143 / 2635-6183

Hospital Veterinário da UFRRJ
Rodovia BR 465, km 7, Seropédica
(21) 2682-1637 / (21) 2681-4880
http://r1.ufrrj.br/wp/iv/estrutura/hospital-veterinario/setor-de-pequenos-animais/

Rio Grande do Norte – Natal
Clínica particular
Hospital Veterinário Amigo Bicho
Av. Xavier da Silveira, 1620, Morro Branco
(84) 3611-2223
http://www.hospitalamigobicho.com.br/

Rio Grande do Sul – Porto Alegre e região
Clínica particular
Pathos – Laboratório de Patologia Veterinária e Clínica Oncológica
Rua Artigas, 54
(51) 3383-1256
https://www.facebook.com/labpathos

Mundo Animal
Rua Silva Jardim, 43
(51) 3333-5750
http://www.mundoanimalpoa.com.br/

Universidade
Hospital de Clínicas Veterinárias da UFRGS
Avenida Bento Gonçalves, 9090
(51) 3308-6112 / 3308-6095 / 3308-6111
http://www.ufrgs.br/hcv/

Hospital Veterinário da Ulbra
Av. Farroupilha, 8001 – Bairro São José – Canoas (RS) -Prédio 25
(51) 3477-9212
http://www.ulbra.br/canoas/infraestrutura-e-servicos/hospital-veterinario

Hospital Veterinario Universitario – UFSM
Cidade Universitária – Prédio 97 – Bairro Camobi – Santa Maria
(55) 3220-8167 / 3220-8817
http://w3.ufsm.br/hvu/

Rondônia – Porto Velho
Universidade
Hospital Veterinário – FIMCA
Rua das Araras, a 300 metros da entrada principal da FIMCA, Porto Velho
(69) 3227-5900 / 3210-0782 / 3213-0711
http://www.fimca.com.br/ver_noticia.asp?id=1963

Roraima – Boa Vista
Sem registros

Santa Catarina – Florianópolis e região
Clínica particular
Hospital Veterinário Florianópolis
Rua João Cruz Silva, 91 – Estreito
(48) 3047-0195
http://hvflorianopolis.com/

Universidade
Hospital Veterinário da Unisul (HVU)
Avenida José Acácio Moreira, 787
Campus Tubarão, Tubarão
(48) 3621-3221 / (55) 9971-5624
http://www.unisul.br/wps/portal/home/extensao/atividades-de-extensao/saude-e-bem-estar/hospital-veterinario-da-unisul

Hospital Veterinário da UDESC
Avenida Luiz de Camões, 2090, Conta Dinheiro, Lages
(49) 2101-9115 / 2101-9100
http://www.cav.udesc.br/?id=74

São Paulo – São Paulo e região
Clínica particular
Hemovet
Rua Pinheiro Guimarães, 86
(11) 2918-8050
http://www.hemovet.com.br/

Provet
Avenida Divino Salvador, 774
(11) 5055-1143
http://www.provet.com.br/

Onco Cane
Avenida Miruna, 591
(11) 3791-3754 / 2574-7989
http://oncocane.com/

Hospital Sena Madureira
Rua Sena Madureira,898
(11) 5572-8778 / 5907-8668
http://www.senamadureira.com.br

PetCare
Unidade Ibirapuera – Avenida República do Líbano, 270
(11) 3050-2273/WhatsApp 95023-3626
Unidade Morumbi – Avenida Giovanni Gronchi, 3001
(11) 3740-2152
Unidade Pacaembu – Avenida Pacaembu, 1839
(11) 4305-9755/WhatsApp 97450-1843
Unidade Tatuapé – Rua Serra de Japi, 965
(11) 3019-2300/WhatsApp 99787-1305
http://www.petcare.com.br/

Vet Câncer
Alameda Jauaperi, 732, Moema
(11) 5056-1395
http://www.vetcancer.com.br/

Animaniacs
Unidade I – Avenida Pasteur, 50, Vila Matilde
(11) 2653-1667
Unidade II – Rua Monte Serrat, 1.090, Tatuapé
(11) 2091-9113
http://www.animaniacs.com.br/

Nippovet
Avenida José Moreira Filho, 16, Mogilar, Mogi das Cruzes
(11) 2312-1604/ 94117-7998
https://www.facebook.com/Nippovet-Cl%C3%ADnica-Veterin%C3%A1ria-184734941602149/

Pet Son
Avenida Independência, 4943, Jardim Alba -Vinhedo
(19) 3886-5595 / 9508-9136 / 8357-2897 (TIM) / 8131-3885 (TIM)
http://www.vetpetson.com.br/

Universidade
Hospital Veterinário da USP
Avenida Professor Orlando Marquês Paiva, 87
(11) 3091-1248
http://www.fmvz.usp.br/hospital-veterinario

Hospital Veterinário da Universidade Metodista
Av. Dom Jaime de Barros Câmara, 1000 – São Bernardo, SP
(11) 4366-5301
http://portal.metodista.br/veterinaria/hospital-veterinario

Hospital Veterinário Anhembi Morumbi
Rua Conselheiro Lafaiete, 64
(11) 2790-4642
http://portal.anhembi.br/nossos-sites/hospital-veterinario/

Hospital Veterinário Público
Unidade Zona Norte – Av. General Ataliba Leonel, 3194
(11) 2478-5305.
Unidade Zona Leste – Rua Serra de Japi, 168
(11) 2936-4745

Sergipe – Aracaju
Sem registros

Tocantins – Palmas
Sem registros

Dificuldades na hora da refeição

theo_comida_comedouro_alimentaçaoNão é incomum sermos chamados para “adestrar” cães por conta de problemas na hora da refeição. Não, não… não é por causa daquele cachorro que atrapalha a refeição dos outros, pulando na mesa e roubando comida. O problema é durante a refeição do próprio cão, que apresenta alguma anormalidade para se alimentar: come rápido e em quantidade demasiada, e parece estar o tempo todo com fome, ou não tem fome, dependendo de “artifícios” dos tutores para conseguir comer minimamente bem; ou ainda, há aqueles peludos que comem sua comida e tudo o que houver pela frente – pano, papel, folhas, pedras!

A alimentação do cachorro parece ser a parte mais simples do seu manejo diário, certo? Ração de primeira qualidade, oferecida no seu potinho, o Totó ganha também uns biscoitos durante o dia como guloseima e também outros petiscos durante o adestramento. Pois saibam que essa rotina tão comum é fonte de muita dor de cabeça para tutores, simplesmente por não conhecerem algumas particularidades que nossos amigos caninos possuem:

Cães são caçadores por natureza

E o que isso tem a ver com o cão que come muito, ou que rejeita a ração? TUDO. Se o cão dependesse só dele para se alimentar, vivendo solto e livre, ele caçaria sua própria comida (sim, outros bichinhos!), e de quebra, procuraria alguns frutos para petiscar durante o dia. Essa caça e procura são extremamente naturais e prazerosas para os cães, que se divertem enquanto buscam alimento. E quando colocamos ração no pote duas vezes por dia, ou pior, quando deixamos um monte comida à vontade, desvalorizamos o ritual de alimentação do cão, tornando-o sem graça e vazio. Em alguns cães, isso pode se refletir no comportamento de comer tudo em poucos segundos, sem o menor apreço pela comida, e outros podem rejeitá-la, por ter ficado muito tempo aberta, ou por ser sem graça comer dessa forma.

Theo se vira pra comer petisco colocado dentro de garrafa pet
Theo se vira pra comer petisco colocado dentro de garrafa pet

Como melhorar essa situação? Fazendo com que o cão trabalhe pela comida! Muitos tutores sentem pena de dificultar a refeição do peludo, mas justamente aí que entra a diferença entre humanos e cães: os cães gostam de fazer esforço! Pode ser através de um brinquedo específico, um comedouro lento, uma garrafa pet furada, [ver referências abaixo] simplesmente espalhando a porção de ração no quintal ou colocando vários potinhos em vez de uma só vasilha. Inicialmente o cão pode estranhar, mas logo achará interessante! Se os tutores fizerem festa e incentivarem, ainda mais! Para aqueles peludos que foram habituados a comer da mão do tutor, é uma boa saída para aumentar sua independência: incialmente o tutor manipula o brinquedo e mostra a comida, até que o pet aprenda a se alimentar sozinho de forma divertida. Essa atividade tende a aumentar o apetite dos mais seletivos, pois nem percebem que estão comendo durante a brincadeira, e também desacelerar a velocidade dos apressadinhos.

Brinquedos sugeridos:

big_pet_ball Big PetBall – Comedouro-brinquedo em forma de bola com 4 aberturas ajustáveis. Informações sobre onde comprar no site petgames.com.br

 

 

Pet_fit

PetFit – Comedouro lento com design inovador e 5 ventosas para fixação. Informações sobre onde comprar no site petgames.com.br

 

 

 

Cães tem paladar

Antigamente, muitas pessoas falavam “cachorro não diferencia gosto! É só dar qualquer comida!”. Na prática, percebemos que cães tem paladar e preferências alimentares. Isso pode ser, em parte, pela oferta de alimentos “não caninos” por parte dos tutores; por hábito ou coração mole, dão alguns alimentos muito mais saborosos do que a ração própria para cães. Isso é particularmente prejudicial quando o peludo ganha algo mais gostoso quando não comeu sua comida. Exemplo: cãozinho recebeu sua ração, mas não estava com muita fome naquela hora. Seu tutor, assustado com a possibilidade do cãozinho passar fome mais tarde, ou estar doentinho, tenta incentivá-lo a comer colocando algo mais palatável na ração (molhinho de carne, ração em pasta, carne moída, etc), ou diante de uma negativa total do cão, suprem a falta da refeição com uma fruta ou biscoito. O cachorro, que não é bobo, começa a relacionar que sempre que não come a ração, alguém complementa ou substitui por algo mais gostoso. Forma-se aí uma preferência alimentar e um padrão de comportamento: “demoro para comer, ganho algo mais gostoso depois”.

A dica? Oferecer somente a quantidade indicada pela ração/veterinário, dividida em algumas vezes ao dia; se o pet não comer tudo, retire a vasilha depois de uns 20 minutos mesmo assim. Não suplemente essa ração que sobrou com algo mais gostoso, para ver se ele limpa o prato. Siga essa rotina rígida nas próximas refeições, até o peludo espertalhão perceber que só tem ração durante as refeições – petiscos e guloseimas só durante adestramento ou para recompensar bons comportamentos. E para os pets gulosos, que parecem comer, e ainda estar com fome, sempre farejando um petisco mais gostoso, vale o mesmo esquema: a ração aparece durante as refeições, e petiscos são “prêmios”! É importante não se deixar levar pela carinha “de fome” do peludo, pois se ele já está alimentado corretamente com sua ração, certamente não está com fome, e sim com vontade de comer! Tipo a gente, que mesmo depois de uma feijoada, ainda encara a sobremesa!

Alguns cães realmente têm distúrbios alimentares

É preciso saber separar o que são comportamentos aprendidos e o que realmente pode ser um problema de saúde. Geralmente, nossos peludos gulosos são loucos por comida simplesmente por serem “bons de garfo” – labradores e beagles são bons exemplos. Isso não é distúrbio alimentar nem falta de educação, mas um comportamento natural do cão que acabou sendo reforçado pelos tutores (que oferecem mais e mais alimento achando que o cão está com fome). Por outro lado, alguns cães tem menos apetite – yorkshires e whipets, por exemplo. Mas mesmo nesses casos, é esperado que os pets comam adequadamente todos os dias, mesmo que seja uma pequena porção.

Alguns cães, além de comerem sua comida de forma exacerbada, também podem comer objetos não comestíveis. Alguns tutores, sem conhecimento, acreditam que o pet está com fome, e sem acesso à ração, acabam suprindo a necessidade com o que acham pela frente (pedras, papéis, plásticos, brinquedos, madeira, e até fezes). Porém, isso é um distúrbio de comportamento chamado pica, e deve ser rapidamente tratado com a ajuda do veterinário e de um especialista em comportamento.

Cães extremamente seletivos, que podem passar dias sem comer – mesmo petiscos ou guloseimas – não devem ser taxados somente de “frescos”: essa falta de apetite pode ser causada por alguma doença. Muitas pessoas dizem para deixar o cão sem comer, pois uma hora terá fome e será obrigado a se alimentar, mas deixar um cão desse tipo passar alguns dias sem comer, para ver se seu apetite aumenta, não é uma opção! A atitude imediata é levar o cão ao vet, pois jejum completo pode significar alguma doença.

*** Por Juliana Nishihashi, Adestradora e Consultora Comportamental da Cão Cidadão