Meus livros sobre cachorros

Toddy 'devorando' um livro sobre cachorros *rs*
Toddy ‘devorando’ um livro sobre cachorros *rs*

 

Vira e mexe, eu cito em algum post referências de livros que tenho sobre cachorros. Como se trata de do meu assunto preferido, como dá pra perceber *rs*, vira e mexe eu compro um livro novo. Eles são uma perfeita fonte de referência tanto pra me ajudar a resolver problemas do dia a dia com os meus peludos, quanto como fontes para os posts do blog. Eu sempre prefiro me basear em fontes científicas, publicadas para não escrever bobagem.

Bom aí, eu decidi mostrar os livros que eu tenho, os que mais gosto e uso. Até pra que eu possa ajudá-los a decidir o que seria interessante comprar, afinal há livros bem generalistas que servem como guia para diversos problemas comuns.

A boa notícia é que já um material razoável em português. Claro, se você for procurar em inglês encontrará um número muito mais vasto de livros, mas já dá para se virar bem com o que já há publicado na nossa língua.

Vamos lá, então, a ordem será a seguinte dos que mais uso para os que menos uso:

cao_de_familiaCão de família – Alida Gerger, Alexandre Rossi – Trata-se de uma obra completa que, na minha opinião, todo pai e mãe de cachorro deveria ter em casa. Trata desde aqueles problemas super comuns como xixi no lugar certo até questões mais complexas como a importância da sociabilização do animal e enriquecimento animal. Recomendadíssimo. Leia mais aqui.

 

a_mente_do_seu_caoA mente do seu cachorro – Luiza Sahd – Esse livro me surpreendeu absurdamente e se tornou meu segundo livro de cabeceira. A autora explica quais são os sinais mais importantes que os peludos tentam passar para os seus humanos e os tipos de emoções que os cachorros sentem. Muito interessante e bem pesquisado.

 

adestramento_inteligenteAdestramento inteligente – Alexandre Rossi – Quando descobri como o adestramento poderia ajudar na relação com os meus dogs logo comprei esse livro. Ele é muito didático e mostra que truques simples como sentar, deitar, dar a pata são mecanismos que podem ajudar muito na comunicação e na solução de problemas com os peludos.

 

manual_do_cachorroManual do cachorro, um guia prático de solução de problemas – Cláudia Pizzolatto – Outra obra bem didática sobre como resolver problemas cotidianos na relação com os cachorros. A linguagem é muito divertida e mostra aquelas situações inusitadas como quando o cãozinho é um pequeno ladrão de coisas. Sabem como é? *rs* Leia mais aqui.

 

os_caes_sonhamOs cães sonham? Quase tudo que seu cão gostaria que você soubesse – Stanley Coren – O autor é um estudioso do comportamento canino e por meio de perguntas ele responde várias dúvidas que vários pais e mães de cachorros têm: os cães sonham, eles se reconhecem nos espelho, eles veem TV?

 

primeiros_socorrosPrimeiros socorros para cães e gatos – Amy D. Shojay – Eu tenho algumas ressalvas com este guia, pois sou o tipo de mãe que quando acontece algum acidente já sai correndo para o veterinário. Além disso, ele indica alguns medicamentos, o que acho perigoso. Mas ele serve para algumas situações, já o citei, por exemplo, no post sobre patinhas queimadas.

 

desistir_nunca_foi_uma_opcaoDesistir nunca foi uma opção – Daniel Guth e Julia Bobrow – Esse livro me tocou desde o primeiro momento, já acompanhava a história da Mocinha enquanto era ela viva e quando vi a história dela reunida num livro foi muito emocionante. Hoje passo por uma situação parecida, minha cachorra tem câncer, e esse lema “desistir nunca foi uma opção” sempre está comigo. Leia mais aqui.

 

moradores_de_ruaMoradores de rua e seus cães – Edu Leporo – Outra obra que conta histórias e são narrativas especiais, de seres que muitas vezes são invisíveis aos habitantes das grandes cidades. No livro, o Edu Leporo conta histórias de parceria e amor entre moradores de rua e seus cães. Além de ser um material lindo, pois o Edu é fotógrafo, parte da renda do projeto é revertida para ajudar essas famílias. Demais, né? Leia mais aqui.

 

seu_cachorro_e_um_genioSeu cachorro é um gênio – Brian Hare e Vanessa Woods – Trata-se de um material para quem se interessa mesmo sobre como funciona o cérebro dos cães. O cientista estudou lobos, raposas e cães cantores da Nova Guiné e um labrador para compreender como os cães pensam e se comunicam.

 

 

apostila_de_treinamento_de_obedienciaApostila de treinamento de obediência – Cláudia Pizzolatto – Uma manual resumido de técnicas de adestramento e fundamentos da psicologia canina.

 

 

brincando_com_seu_caoBrincando com o seu cão – Suellen Dainty – Pra quem tem espaço e adora brincar e fazer jogos divertidos com os cachorros esse livro é perfeito. Mostra diversas ideias para você passar horas se divertindo com o peludo.

 

 

how_smart_is_your_dogHow smart is your dog? Test your pet’s IQ – Parragon – Confesso que eu nunca usei esse livro (shame on me :-/), mas a proposta é bem legal: testar o QI do pet por meio de vários testes simples. Parece bem divertido. Prometo testar em breve *rs*.

 

 

codigo_de_direitoCódigo de Direito Animal – Alexandre Gaeta – Esse código está um pouco desatualizado, é de 2003, mas ainda é uma boa referência sobre os direitos legais relacionados aos animais.

 

 

entenda_seu_caoEntenda o seu cão – Dr Bruce Fogle – Há algumas seções interessantes como as que explicam as brincadeiras entre os cães, os comportamentos típicos do cão submisso e a questão do ciúmes.

 

 

a_vida_oculta_dos_caesA vida oculta dos cães – Elizabeth Marshall Thomaz – Trata-se de um relato bem diferente de uma antropóloga que durante trinta anos observou o cotidiano de uma centena de cães, lobos e dingos e se propôs a escrever uma crônica romântica de como essa convivência se entrelaçou com a vida dela.

 

o_cao_em_nossa_casaO cão em nossa casa – Théo Gygas – Esse livro eu comprei por se tratar de uma referência histórica. Ele é de 1958 e serve de base para muitas pesquisadores brasileiros sobre comportamento canino. Claro, há muito conteúdo ultrapassado, mas é interessante lê-lo sob uma perspectiva histórica.

 

adestramento_de_caesAdestramento de cães – Renato A. dos Santos – O mesmo caso de O Cão em nossa casa, mas esse é ainda mais antigo, de 1923, e trata apenas de adestramento.

 

 

adestre_seu_donoAdestre seu dono sem estresse – Ana Margarida Mignone – A autora inverte o jogo dos programas de adestramento crinado uma ficção em que um rex retriever ensina os cães leitores a adestrar seus humanos de estimação. (OBS: ganhei esse livro)

 

 

que_cao_escolherQue cão escolher e como cuidar dele – Charles Cruft – Basicamente é um manual de raças. Se você se interessa pelo assunto ou está em busca de informações sobre uma raça específica pode ser um bom guia.

 

educando_seu_melhor_amigoEducando seu cão amigo – Dr Marcelo Quinzani e Wilson Oliveira – Mais uma manual de como lidar com cachorros. Não gostei dos métodos apresentados.

 

 

guia_para_treinar_seu_cao

Guia para treinar seu cão – Um guia bem genérico e desatualizado sobre adestramento.

 

 

 

medicina_veterinaria_legalMedicina Veterinária Legal – Kalio Paarmann – Trata de medicina legal, medicina legal forense, investigações criminais em medicina veterinária e área penal. (OBS: ganhei esse livro)

 

 

Peitoral Easy Walk evita puxões durante os passeios

Toddy usando sua Easy Walk
Toddy usando sua Easy Walk

 

Os leitores e as leitoras do MFC já sabem que sou fã de uma coleira chamada Gentle Leader, trata-se de um acessório meio feinho, mas que ajuda muito nos passeios com cachorros pesados e que puxam. Apesar de estar bem feliz com essa coleira, sempre fiquei incomodada com os olhares atravessados das pessoas quando passeio com o Toddy nos eventos sociais que participamos. A Gentle não machuca de jeito nenhum, mas por se assemelhar a um cabresto, causa uma impressão ruim por não ser muito conhecida ainda por aqui.

Resolvi, então comprar o peitoral Easy Walk. Ele é muito parecido com os peitorais comuns que vemos nos petshops, mas com uma diferença fundamental, a guia não é presa nas costas do cachorro, mas sim numa argola situada na parte da frente, localizada na altura do peito. Esse layout diferente muda totalmente o efeito da distribuição do peso. Os peitorais normais funcionam como arreios de tração, distribuindo o peso e proporcionando ao cachorro muito mais força e disposição para puxar. Já com o Easy é diferente, quando o peludo tenta puxar, fazendo força para frente, a guia naturalmente faz o bichinho virar para você interrompendo a marcha.

Eu comprei o meu peitoral no site Bitcão e paguei R$ 102,80 (não é baratinho, mas vale a pena). A compra como sempre foi muito tranquila. A entrega foi dentro do prazo e o produto chegou bem embalado. Super recomendo essa loja (isso não é um post pago, só uma recomendação).

Os primeiros testes foram feitos durante os passeios na vizinhança. Ainda bem porque eu e o papito do Toddy apanhamos bastante para entender como ajustar bem o acessório. Ele tem apenas três partes – peito, costas e barriga – mas como tem uma lógica diferente de outros peitorais, inclusive com vários engates, os ajustes dele não são óbvios. Mas a dica aqui é deixar bem justo em todas as partes, dessa maneira o engate da frente, onde você encaixará a guia, não ficará largo.

Outra indicação é sempre vestir o peitoral sempre passando o primeiro a parte das patinhas. Essa parte, a que passa pelas patinhas, é a que tem cor diferente, preto no peitoral vermelho, cinza no peitoral preto. Deem uma olhadinha no vídeo pra entender melhor depois prendam o encaixe de cima e ajustem a coleira no peito do cachorro. Pronto, agora é só encaixar a guia e passear.

Minhas impressões – O Easy Walk cumpre muito bem a função que promete, ou seja, facilitar o passeio com cães que puxam. Ele não chega a ser tão eficiente quanto a Gentle. Por exemplo, meu pai, que é velhinho, teria dificuldades de passear com o Toddy mesmo com o Easy, mas para adultos funciona muito bem.

Além disso, o design do produto é muito bacana. Se bem ajustado, o peitoral é bastante seguro e fica bem bonito no cachorro. Ou seja, recomendado!

Thundershirt pode aliviar o medo de fogos de artifício

 

Chega o Ano Novo e com ele o drama dos fogos de artifício. Há peludinhos que nem ligam, casos do Theo e do Toddy, mas há outros que parecem que vão ter um ataque cardíaco de tanto medo. O seu é assim? A minha DJ, por exemplo, já foi bem medrosa. Com o adestramento, melhorou bastante, mas não 100%. Hoje pelo menos ela não se assusta com qualquer barulho. Além de treinamento que ajuda muito para amenizar esse tipo de problema, há atualmente no mercado brasileiro alguns produtos que prometem aliviar esse medo dos animais, um deles é a ThunderShirt, uma camisa que promete relaxar o cachorro por meio de pressão.

A minha amiga Mariana Moreira Matias, mãe da Pucca e da Winky, resolveu comprar a ThunderShirt para filha caçula, a Winky, que sofre muito com barulhos altos. Como as irmãs vão passar o feriado de fim de ano num hotelzinho, a Mari comprou o produto antecipadamente e conseguiu testá-lo nesse fim de semana durante uma tempestade de verão.

12413937_10153125824686637_491718698_o
Winky numa boa com sua Thundershirt

 

Ao chegar em casa, já havia começado a chover e a Mari prontamente vestiu a camisa na pequena, o resultado, segundo ela, foi muito bom. Ao ouvir um trovão, a minishinauzer, que estava brincando no momento, levantou a cabeça, ficou observando o que ía acontecer, mas não saiu correndo para pedir colo, o que seria a reação natural (veja o vídeo). A chuva ainda durou mais alguns minutos e ela continuou relaxada, sem demonstrar pânico.

Hoje rolou um novo teste. Já estava trovejando bastante quando a Mari vestiu a camisa na pequena. Pronto. Foi como como uma benção. Ela passou do estado terror, para o estado relaxada.

Claro ainda não houve o teste com fogos, mas com os trovões altos já deu para perceber que funciona muito bem.

Funcionamento do produto – A Thundershirt é feita de algodão e fibra elástica. O produto aplica uma pressão branda e constante em volta do corpo do cachorro, como se fosse um abraço. Segundo o fabricante, essa pressão é capaz de afetar o sistema nervoso do animal ansioso, acalmando-o e fazendo com que seus músculos relaxem. Além de ser indicada para cachorros que têm medo de barulhos altos, também funciona para aqueles que têm medo de viajar, de cortar unha e de veterinário. Parece boa, né?

A Mari comprou a dela na Bitcão por R$ 166,80, uma loja on-line que gosto muito.

tecnica_cao_sossolteiros_04Método alternativo – Dia desses vi no Facebook um método que parece funcionar de maneira muito semelhante à Thundershirt chamado Tellington Touch. Consiste basicamente em amarrar um pano em volta do corpo do cachorro para que ele se sinta relaxado.

Se funciona eu não sei, mas se você quiser tentar, há instruções nesse link.

Brigas entre cães – o que fazer?

bulldog_vector_clipartBriga entre cães sempre é uma cena triste de se ver, com toda a confusão entre peludos e pessoas, tentando apartar e se perguntando como tudo aconteceu. Em geral, brigas de cães parecem “acontecer do nada” e pegam as pessoas desprevinidas. E essas cenas são muito mais perturbadoras quando acontecem com cães da mesma casa, entre “irmãos peludos”.

Há alguns dias, no Facebook do “Diário de Uma Mocinha”, um post da mãe da Bici deixou Angélica e eu pensando sobre brigas entre cães. Neste post, a Bici aparece com uma coleira tipo “peitoral de treinamento”, esclarecendo que usa sempre a coleira, mesmo fora dos passeios, para facilitar a separação das meninas em caso de briga. Mas será que o uso da coleira é mesmo a forma mais segura de separar cães durante uma briga?

O que não fazer numa briga entre cachorros

Mesmo sendo adestradora, eu nunca precisei separar uma briga feia entre cães – até porque, durante os treinamentos, eu e os tutores fazemos todo o possível para que os cães não briguem, garantindo a segurança de todos e uma boa evolução do treinamento. Mas é claro que pequenos arranca-rabos acontecem, e para isso, a melhor forma de intervir é nunca se interpor fisicamente entre os cães, nem gritar para interromper. Tentar segurar os cães no colo, bater, afastar com as mãos, pegar pela coleira ou na pele do pescoço são atitudes muito perigosas. Agindo destas formas, o que seria uma pequena faísca pode receber combustível para se tornar uma verdadeira explosão – latidos, ganidos, chacoalhões e muitas mordidas.

Em situações de brigas menos graves, geralmente um som abrupto, como uma batida na porta, um spray de ar comprimido, e em alguns casos até uma batida de palmas, pode interromper a confusão. Também é possível afastar os cães usando algo rígido, como um papelão, colocando entre os brigões. Depois de separada a briga, não é necessário (nem didático) dar broncas nos cães; o ideal é só deixá-los em local calmo, e se necessário separados até que esfriem a cabeça. Mas nada de separá-los por horas ou dias. Depois de alguns minutos eles devem ser reintroduzidos ao ambiente, de forma calma e controlada, sempre com alguém para supervisionar.

Qual é a saída para resolver brigas severas

Já em brigas mais severas, naquelas em que os cães realmente se atracam e não se soltam, a regra de não agir fisicamente ou gritando deve ser seguida à risca e em dobro! Sei que é difícil, mas é preciso pensar friamente para não se arriscar. Geralmente em brigas muito feias, é comum acontecer o que chamamos de “agressividade por transferência”. Com a excitação em alta, o cão simplesmente continua reagindo à situação, e sai mordendo à torto e à direita quem estiver por perto; e muitas vezes a vítima é justamente aquele que estava tentando apartar, e pode se machucar muito.

Então nestes casos, a saída mais fácil é tentar separar os cães usando algo rígido para afastá-los – uma tábua, uma cadeira, uma vassoura (mas não é para bater nos cachorros!!). Também é possível interromper com o fator surpresa de um jato forte d’água (um balde ou uma mangueira).

Outra saída mais arriscada, mas às vezes necessária, é conter os cães de forma mais física, pois só interromper a briga não funciona. Mas é importante lembrar que qualquer atitude mais brusca pode por a pessoa que separa em risco, por isso deve-se tentar as outras opções antes. Para tanto, uma pessoa (bastante corajosa, admito!) deve pegar o cão mais agitado pelas patas traseiras, levantando-o, o que vai deixá-lo um pouco sem equilíbrio, e rapidamente “puxar” o cão, afastando-o do outro. Para esta técnica, é importante já ter em mente uma rota de fuga para sair com o outro cão, uma vez que tudo acontece muito rápido, e mesmo tirando o cão com bastante rapidez, a briga pode voltar a acontecer.

A situação não pode ser corriqueira

Um rápido comentário que eu não poderia deixar de fazer. Lendo os comentários dos leitores da página da Mocinha, muitas pessoas se identificaram com o post e se diziam aliviadas em saber que as brigas não aconteciam só com seus pets. Vale lembrar que nenhum tipo de briga entre cães da mesma casa deve ser encarado como algo corriqueiro – não estou falando daqueles rosnados quando um cão tenta roubar o osso do outro, ou aqueles “pegas” do cão mais velho fazendo a brincadeiras dos mais novos parar. Brigas diárias não são saudáveis, não são normais e certamente podem escalar para situações onde os cães realmente se machucam!! Portanto, ao menor sinal de brigas, consulte um especialista em comportamento canino.

E uma dúvida curiosa da Angélica: brigas de fêmeas realmente são mais severas que brigas de machos? A resposta… geralmente sim. De acordo com o dr. Stanley Coren (psicólogo e estudioso do comportamento animal) existem até pesquisas que demonstraram que brigas entre fêmeas tendem a ser mais longas, perigosas e causam maiores danos, do que brigas entre machos. E também, estudos mostraram que melhoras no comportamento agressivo de fêmeas são um pouco menos pronunciadas do que em machos. Portanto, o principal é investir em educação precocemente, tanto dos cães quanto dos tutores, pois modificar o comportamento agressivo depois de instalado é muito mais trabalhoso!

*** Por Juliana Nishihashi, Adestradora e Consultora Comportamental da Cão Cidadão

Cachorros têm um “Facebook” no focinho

Theo e DJ investigando o sapato do  papito :-P
Theo e DJ investigando o sapato do papito 😛

 

Pegar a coleira para a maioria dos cachorrinhos é sinal de que a melhor hora do dia vai acontecer. Mas por que é tão legal pros peludinhos dar um passeio na rua? Simplesmente porque é a hora que eles conferem o “Facebook” dos cachorrinhos. Ao cheirar apenas um poste, um cãozinho consegue saber quem passou por ali, com que frequência, se há alguma fêmea no cio na vizinhança, um cachorrinho novo.

E o poder do olfato canino não para por aí. Segundo uma reportagem da revista “Superinteressante – O livro dos cães”, eles sabem quais moradores da casa tocaram em determinado objeto, quais fizeram sexo, com quem e há quanto tempo, quais tomaram banho ou deixaram para o dia seguinte. Imagine se eles pudessem falar, as pessoas teriam vários problemas *rs*.

O segredo desse nariz tão apurado está no número de receptores nasais que os cachorros possuem, enquanto os humanos têm 5 milhões, os cachorros chegam a possuir 300 milhões. O focinho é, portanto, o principal aparelho de reconhecimento para os cachorros.

Seu cachorro gosta de de cheirar um sapato ou um blusa que você acabou de tirar? Aqui em casa a galera adora e não é para menos. A partir dos odores da sola ele consegue saber por quais tipos de locais o dono esteve. Genial, né? Imagine se você passeou no canil? Ele certamente vai saber.

Os doguinhos também conseguem seguir os rastros de uma pessoa por diversos quilômetros. Fazem isso cheirando as moléculas de ácido butanoico que deixamos cair pelo caminho (o odor involuntário que produzimos e se espalham por onde passamos). Com base nos compostos exalados pela pele e pelas glândulas, os cachorros montam um perfil psicológico do farejado, sabendo, por exemplo, quanto medo estamos sentindo ao nos aproximarmos dele.

Ter um nariz tão apurado pode ser, no entanto, um problema. Cheiros de produtos de limpeza são muito irritantes para os peludinhos. Colocar talco, perfumes e xampus então pode causar dores de cabeça, enjoos e até perda de sensibilidade olfativa. Ou seja pense bem, ao perfumar seu cachorro. Para ele, isso é uma violência.