Ensaio gestante com cachorros é de derreter o coração

Em breve, seremos 5 (Crédito: Inovatto Studio)

Quando descobri que estava grávida, uma das únicas certezas que tinha, em meio às diversas dúvidas sobre como me preparar para a chegada de uma humaninha, era que os cachorros participariam de tudo, que eles são os meus filhos mais velhos e promoveria todas as adaptações necessárias na rotina deles para que tivéssemos um convívio harmônico.

E assim foi, mudei a alimentação deles, treinei o que poderia provocar ansiedade de separação e ciúmes, tirei o hábito de pular em mim, enfim, fiz a lição de casa para evitar problemas. Prometo escrever sobre tudo isso.

Além dessas mudanças, claro que quis incluí-los em objetos e lembranças que no futuro mostrarão à Maria Eduarda que os irmãos caninos sempre estiveram presentes na vida dela.

Inspirações – Um exemplo disso foi o porta-maternidade inspirado nos três (farei post sobre ele também). Acreditem, foi a primeira coisa que comprei, mesmo antes de qualquer roupinha. Também havia planejado fazer um ensaio pet + gestante em dezembro. Porém, como fiquei doente, internada e sem $$ tive que abandonar o plano.

Mas sabem como é, a vida nos proporciona grandes surpresas e há 15 dias a Cristiane Bellini, grande amiga e fotógrafa me ofereceu um presentão, o ensaio 😀 agora na reta final da gestação. Uma explosão de amor e fofura <3. (Veja abaixo os contatos da Cris)

Dicas –  Aproveitando a experiência, quero dar umas dicas sobre como tornar o ensaio mais agradável para as mommys:

– Planeje fazer as fotos até o fim do 7o mês. Eu já estava no 9o mês e me cansei muito antes do esperado. Fora isso, o barrigão dificultou minha mobilidade.
– Separe os objetos que queira incluir no ensaio: fotos das ultrassonografias, sapatinho, lembrancinhas. Na hora, você não lembrará de nada.
– Experimente antes as roupas que deseja usar. Às vezes, aquele vestido lindo que você tem não lhe deixará confortável.
– Se for fazer fotos externas, especialmente no verão, dê preferência aos horários do começo da manhã e do fim da tarde. O calor é muito exaustivo para uma sessão fotográfica.
– Quanto aos dogs, separe petisquinhos e brinquedinhos que eles gostem para usar na sessão. Em geral, mesmo os mais comportados, ficam excitados com a presença de alguém diferente e a quantidade de poses que têm de fazer *rs*.
– E, muito importante, escolha umx fotografx que curta pets e entenda que eles têm o tempo deles, como a minha querida amiga Cristiane Bellini, do Inovatto Studio. Isso é primordial para o sucesso das imagens.

Quer contratar a Cris? Os contatos seguem abaixo:

Inovatto Studio

Localização: São Paulo
Fotógrafa: Cristiane Bellini
Telefone: (11) 97676-7374 / 3209-7847

 

Creche para cães em SP oferece estadia a partir de meia hora

Espaço de recreação da Comport Pet no dia da inauguração (Divulgação)
Espaço de recreação da Comport Pet no dia da inauguração (Divulgação)

Precisa ir ao dentista, fazer compras ou mesmo almoçar com as amigas e não quer que seu filho cão fique sozinho em casa, uma opção é deixá-lo por algumas horinhas em uma creche canina. Na Zona Sul de São Paulo, a Comport Pet oferece estadia a partir de 30 minutos.

(Correção: inicialmente o post informava que o período mínimo era partir de 1 hora, mas o certo é a partir de 30 minutos. A correção foi feita às 13h45)

Estive na inauguração, que ocorreu no dia 29 de outubro, e conversei com o Cleber Santos, proprietário do local e especialista em comportamento canino. Ele me disse que em uma pesquisa de mercado, constatou que os tutores muitas vezes têm essa necessidade, deixar seus cães por um curto período de tempo em um local seguro e onde também possam se divertir.

A equipe da Comport Pet com o proprietário Cleber Santos à frente (Divulgação)
A equipe da Comport Pet com o proprietário Cleber Santos à frente (Divulgação)

“Há, por exemplo, cachorros que no dia a dia estão sempre acompanhados e apresentam comportamentos inadequados, como latidos e destruição, quando deixados sozinhos. Claro que o ideal é eliminar essas reações, mas, de qualquer maneira, caso haja a necessidade estamos prontos para atendê-los”, disse Cleber.

Para deixar seus filhos cães por meia hora na Comport Pet, os pais vão pagar R$ 20. Por 1 hora, R$ 30 e assim por diante. A creche ainda disponibiliza pacotes mensais tradicionais, com estadias diárias de uma a cinco vezes por semana. Além de hospedagem nos fins de semana e feriados.

Outra vantagem, segundo Santos, é o horário estendido. O local abre às 7h e fecha às 20h. No dia de rodízio do carro, os tutores podem pegar seu filho cão até as 21h.

“Nossa proposta é atender os clientes em todas as suas necessidades, inclusive facilitando sua rotina nos dias de rodízio”.

Musicoterapia – O espaço oferece atividades recreativas, adestramento e também musicoterapia, uma técnica de relaxamento para animais estressados e que trata até distúrbios físicos. (veja vídeo abaixo publicado na página da Comport Pet)

Para os dogs que ficam o dia inteiro na creche, a musicoterapia é aplicada logo após o almoço para que relaxem e tenham um momento de descanso. “De manhã, temos as atividades recreativas, logo depois o almoço e, em seguida, a sessão de musicoterapia”, explica Cleber.

Serviço
Comport Pet
Endereço: Rua Getúlio Vargas Filho, 41, Jabaquara
Tel: (11) 94751-5659

Meu Filho Cão de cara nova

Novo logotipo do MFC. Amamos <3
Novo logotipo do MFC. Amamos <3

Olá tios e tias, olha a gente de volta e com novidades: o blog ganhou uma cara nova. Deem uma olhada como nosso logotipo ficou fofo <3. Os avatares das categorias também estão demais.

Agora, se você estiver no celular, basta acessar o menu acima do logo para navegar pelos assuntos Alimentação, Causa Animal, Comportamento, Dia a Dia & Diversão, Produtos e Saúde.

icone-alimentacaoEm Alimentação, encontre posts sobre tudo que vai para a nossa barriguinha. Huuuum! Tem reportagem sobre alimentação natural, petiscos, ração e até receitinhas.

icone-causa-animalJá em Causa Animal, a gente fala de um assunto muito sério, a situação dos doguinhos carentes e que estão pelas ruas. A ideia é ajudá-los a encontrar uma família bem bacana, igual a nossa.

icone-comportamentoAh não esquecemos de abordar os nossos probleminhas de Comportamento e indicar soluções para melhorar a convivência com as nossas mommies, papitos e também com outros doguinhos. Sabiam que problemas de comportamento são uma das principais causas de abandono? Triste, né? Vamos contribuir para mudar isso.

icone-dia-a-dia-diversaoNa categoria Dia a Dia & Diversão tudo o que a gente apronta em casa e na rua. Vem aumentando o número de bares, restaurantes e lanchonetes que aceitam os catioríneos, para nossa felicidade. Além disso, eventos produzidos especialmente para os dogs estão cada vez mais frequentes.

icone-produtosEm Produtos, falamos de … produtos :-P. A mommy está sempre antenada às novidades que chegam ao Brasil e somos grandes testadores, sempre prontos a experimentar novidades. Alguém quer nos contratar?

icone-saudePor fim, mas não menos importante, temos a categoria Saúde. Uma seção em que abordamos além de doenças, métodos preventivos que podem garantir mais anos em nossa companhia.

Esperamos que vocês gostem dessa nova fase do MFC. Prometemos caprichar 😉

Theo, Toddy, Paçoca, DJ (in memorian), Ozzy (in memorian), mommy e papito.

 

Os cachorros vão ganhar uma irmã (o) humana (o)

Theo conhecendo a irmã pelas imagens do ultrassom
Theo conhecendo a irmã pelas imagens do ultrassom

Hoje é dia de notícia boa: Theo, Toddy e Paçoca vão ganhar uma irmã (70% de chance) ou um irmão (30% de chance) humana (o). A chegada da irmãmana – vamos considerar que é menina porque a probabilidade é maior – não foi planejada, mas já estamos curtindo bastante a ideia de ter uma serumaninha pra brincar com o Toddy, o Theo e o Paçoca.

Como sempre foi o propósito do MFC, vou, na medida do possível, compartilhar com vocês as adaptações, experiências e aprendizados de criar uma criança com cachorros. Acho que vai ser bacana, mas também será um desafio, já que sou marinheira de primeira viagem nos cuidados com humanos *rs*

Catarina e Dorinha relaxando
Catarina e Dorinha relaxando

Dei uma olhada nos livros sobre cachorros que tenho aqui em casa e vi que há bastante coisa a ser colocada em prática: ensinar novos limites, implementação de mudanças gradativas na rotina, mais cuidado ainda com a saúde deles, enfim medidas para que eles não sofram com a chegada da nova integrante da família e curtam a irmã desde o primeiro dia.

Além dessas providências, quero ajudar a desmistificar a ideia de que com a chegada de um bebê, os cachorros devem ser escanteados ou até mesmo eliminados da família. Tenho plena convicção de que é possível criar todos juntos e que essa convivência só faz bem às crianças. Aliás, já contei aqui no blog a belíssima convivência das irmãs canina e humana Dorinha e Catarina e também da Lin e do Gael, humanos, irmãos do Zip, Poli e Carol, cachorrinhos.

A mãe da Catarina e da Dorinha, Thaise Pregnolatto, inclusive, tem um ótimo blog sobre maternidade, o Mamaholic.

Medidas iniciais – A primeira ação a ser colocada em prática é não pular em mim. Nunca me importei com esse comportamento, apesar de saber que incomoda algumas pessoas. No entanto com a gravidez e depois com a chegada da humaninha, esse hábito vira um problema.

Para eliminar os pulos, especialmente do Theo, que é grandão e fica doido quando eu chego, aprendi que tenho que ignorá-lo ao chegar em casa. Complicadíssimo, pois tudo que a gente quer ao vê-los é abraçar, beijar, brincar, porém necessário. De acordo com o livro “Adestramento Inteligente”, do Alexandre Rossi, dar broncas e até empurrar o cachorro para o chão não funciona, na verdade só aumenta o problema. Broncas e contato físico funcionam como uma recompensa pro cão, que acabou conquistando o que queria, a nossa atenção.

A família de Ana Liao no aniversário do Zip, já falecido
A família de Ana Liao no aniversário do Zip, já falecido

O adestrador garante que com o ato de ignorar em pouco tempo o peludo começa a mudar de comportamento, e o passo seguinte é recompensar o animal apenas quando ele já estiver calmo e no chão. Devemos pedir um senta ou deita, dar um petisco ou um carinho, por exemplo.

Outra estratégia é reprimir o pulo com um jato d’água, mas para isso precisamos sempre estar munidos com um borrifador, pois a bronca deve ser imediata. Ou seja, mais complicado.

Bem, vou começar a ignorar meu branco-gigante-doido ao chegar, depois conto pra vocês se deu certo.

 

Como os cachorros lidam com a perda de um irmão

Saudades dos três juntinhos.
Saudades dos três juntinhos.

Quase um mês depois que a DJ partiu, ainda estamos com muita dificuldade de lidar com a ausência dela, mas tentando tocar a nossa rotina, afinal há outras vidinhas que dependem de nós. Uma das perguntas mais frequentes que me fazem é: “Como o Theo e o Toddy estão lidando com a perda da irmã?”

Naturalmente, a gente tenta humanizar as reações dos cachorros, mas fato é que, muitas vezes, as reações que eles apresentam diante das situações são muito diferentes das nossas. Apesar da nossa tristeza, os dois não demonstraram sinais de depressão com a perda da irmã. Nos primeiros dias, quando chorávamos eles ficavam ao nosso lado. Sabe aquele comportamento fofo dos peludos quando estamos tristes? Então, era assim. No entanto, eles continuaram brincando, comendo e latindo como sempre fizeram.

Fui atrás, então, de explicações sobre como os cães costumam reagir ao luto, e as respostas que encontrei foram que sim os cachorros podem ficar deprimidos com uma perda, mas que nem todos reagem da mesma maneira. Segundo o livro “Os cães sonham?”, do Stanley Coren, hoje a maioria dos veterinários aceita que os cachorros têm emoções e podem sofrer os mesmos problemas emocionais que os humanos, entre eles a depressão. Uma das causas externas que podem de deixar o cão deprimido é justamente a perda do dono ou de outro cachorro. Aliás essa é a causa mais relatada aos veterinários.

Os sintomas – Entre os sintomas mais comuns nos animais deprimidos estão reagir a situações estressantes latindo, salivando ou destruindo. Outros indícios, de acordo com o livro “Cão de Família”, da Alida Gerger e do Alexandre Rossi, são isolamento, dormir demais e inatividade.

O tratamento para depressão pode incluir medicamentos e mudanças na rotina, com a inclusão de novas brincadeiras, exercícios e enriquecimento ambiental. A ideia é estimular o cão para que ele abandone os comportamentos depressivos.

A boa notícia é que é raro que a depressão nos cachorros dure muito tempo. Se o pai ou mãe do peludinho o ajudarem a sair dessa a recuperação tende ainda a ser mais rápida.