Novidades da Pet South America – roupinhas, coleiras e enfeites

1o. dia da Pet South foi movimentado

A Pet South America deste ano está grande e traz muitas novidades para os pais e mães de filhos cães. Para facilitar, vou dividir os posts sobre a feira por temas e começo por acessórios. A variedade de coleiras, guias, roupinhas, enfeites está enorme. Pasmem, gente, tem até tatuagem para embelezar os pequenos.

Vamos começar pelas roupinhas. A minha impressão mais forte é que agora a roupinha deixou de ser um item necessário somente para os dias frios e virou um acessório fashion.

A Bichinho Chic, por exemplo, lançou na feira sua coleção primavera-verão. A linha, composta de roupas de tecidos mais leves, nada de soft, vem em cores virantes como o amarelo-limão e rosa-neon. Chama a atenção a riqueza de detalhes das peças. Tem vestido polo com uma gargantilha de pérolas, camisa surf com capuz e camiseta marinheiro com uma aplicação que parece não ser daquelas que saem na primeira lavagem.

Bichinho Chic

Picture 1 of 13

Linha primavera-verão da Bichinho Chic tem cores vibrantes

Já a Woof Pet Design aposta no jeans. São cerca de 20 modelos entre calças, camisas, vestidos e macacões. Dá para fazer até combinações com calça jeans e camisa xadrez, por exemplo. Uma graça, gente! A marca assegura que o jeans não tem tratamento químico e por isso não causa alergias nos filhos cães.

As guias, coleiras e peitorais também estão muito estilosos. A Woof Pet Design também trabalha com esses produtos e usa couro sintético para produzir suas peças. O destaque fica por conta da gama de cores, que vai desde o rosa-bebê até o verde clarinho. Cores difíceis de achar no mercado.

Da Puppia, eu gostei muito das coleiras-peitoral. Há estampa floral, xadrez, listrada e parecem ser bem resistentes. A empresa também tem peitoral em estilo jaqueta, feito com um tecido chamado air-mesh. Outro destaque fica por conta das coleiras com aplicação de letras, que podem ser compradas separadamente. Quando der, quero comprar uma dessas para a DJ e deixá-la bem perua :-).

A Fan Pet também apresentou muito luxo e riqueza nas coleiras e guias. Eles têm uma coleção chamada “Linha Pingente” com 24 modelos e 5 cores. São várias raças de cachorrinho, âncora, caveira, joaninha e por aí vai. Os enfeites também são aplicados diretamente nos peitorais e nas coleiras. Fiquei vidrada num peitoral com um enfeite de coroa. Lindo!

Outra empresa que me cativou pelo estilo foi a Dog&Roll. A proposta é usar ícones pops nas peças. Gente, gamei nas bandanas com astros do rock, tem até a Amy Winehouse canina. As guias e peitorais também são de muito bom gosto, com estampas que fogem da mesmice.

E o destaque final fica para as bijuterias adesivas da Pity Biju. São muitos modelos e você pode usá-las sozinhas ou criar desenhos. A marca também disponibiza kits temáticos como os de Halloween e Natal.

** Pessoal, eu não coloquei preços, pois esses produtos não são vendidos diretamente para o consumidor, e sim para os lojistas que os revendem. Linkei os sites para vocês entrarem em contato para saber onde há revenda 😉

‘Mato sem cachorro’ leva um filho cão para o cinema

mato_sem_cachorro_duffyUma família nada convencional com um filho cão de protagonista ganhou as telas dos cinemas brasileiros. Trata-se do filme nacional “Mato sem cachorro”, estrelado por Bruno Gagliasso e Leandra Leal.

O filho cão da história é Guto. Filhotinho, ele une Deco (Bruno Gagliasso) e Zoé (Leandra Leal) ao quase ser atropelado por Deco. Zoé o ajuda, pois o cãozinho, apesar de não ter se machucado, não acorda de jeito nenhum. No veterinário, eles descobrem que o cachorro sofre de uma doença chamada narcolepsia, que o faz desmaiar sempre que fica muito excitado.

Unidos por aquela adorável criaturinha, Deco e Zoé passam dois anos juntos. As cenas que ilustram a relação do casal com Guto são ótimas e fazem pais e mães de cachorro se identificarem. Como uma em que ele dorme com os dois na cama, ocupando um espação. Vocês sabem como é?

Deco e Zoé se separam, e o pai de Guto monta um plano para sequestrá-lo quando descobre que a ex está namorando o dono de clínica de terapias alternativas para animais. Aí seguem mais cenas hilárias com afghan hounds tendo o pêlo escovado e pugs fazendo doga, a ioga com cachorros.

Quem é o Guto – Bom, não quero contar mais sobre a história para não estragar a surpresa, mas deixa eu falar mais sobre o Guto. O protagonista de “Mato sem cachorro” é um english sheppard chamado Duffy. Ele se tornou conhecido por seu papel em na série “True Blood”, em que encarna o personagem Sam Merlotte – um ser que pode se transformar em diversos animais -, além de já ter estrelado diversas peças publicitárias.

Duffy foi treinado para o filme por Boone Narr, experiente treinador que já trabalhou com macacos, elefantes, jacarés, leões e, claro, muitos cachorros, em superproduções de Hollywood. Ele assinou a preparação, entre outros, do mico de “Piratas do Caribe” e do akita de “Sempre ao seu Lado”, protagonizado por Richard Gere.

Outro grande desafio enfrentado pela equipe do filme consistiu em encontrar filhotinhos para interpretar Guto em seus primeiros meses de vida. Devido a uma lei americana, não era possível trazer animais com menos de seis meses de vida. Assim, foi programada uma cruza entre dois border collies, parecidos com os english sheppards, que não existem no Brasil. Nasceram oito filhotes, dos quais cinco tinham manchas marrons como as de Duffy. Todos foram treinados pelo brasileiro Vladimir Maciel.

Brinquedo pet requer cuidado

Brinquedo Anti-estresse da Sanremo
Brinquedo Anti-Stress da Sanremo

Assim como os brinquedos feitos para as crianças, os elaborados para os pets também demnadam cuidado. Na semana passada, fiquei empolgadíssima ao encontrar na Cobasi uma bolinha do tipo dispenser – que solta petiscos aos poucos – por um valor super amigável: R$ 9,99.

Mas, logo ao abrir a embalagem a primeira decepção, descobri que o brinquedo não era de borracha, como eu pensava, e, sim, de plástico duro. Não há nenhuma informação na embalagem do “Brinquedo Anti-Stress” da Sanremo sobre o material. Falha, né? Minha porque comprei sem ter certeza do material e do fabricante porque não informa.

Ok, superável, pensei. Piquei petiscos e Biscrocks do tamanho de um grão médio de ração, fechei o dispenser e dei para os meus lindos. Para o meu espanto, eles rolavam a bolinha, mas não caía um só petisco. Então, repiquei os petiscos em tamanho minúsculo, usei até um ralador. Dessa maneira, eles começaram a cair mais facilmente e os babies se divertiram.

Porém, quando tentei abrir novamente uma das bolas, que já estava meio mordida, não consegui. Dei para o pai deles, e ele também não conseguiu. Ou seja, na primeira brincadeira, um bola já foi perdida. Uma pena. Um brinquedo que não vale a pena comprar.

Economizando com cartões de fidelidade

Meus cartões-fidelidade da Cobasi e do Pet Center Marginal
Meus cartões-fidelidade da Cobasi e do Pet Center Marginal

Nossos filhos cães nos trazem grande felicidade e, vamos combinar, também nos dão muita despesa. Uma forma de economizar um pouco em São Paulo é utilizando os cartões de fidelidade de dois dos maiores pet shops da cidade: Cobasi e Pet Center Marginal.

O que eu mais uso é o da Cobasi. Funciona assim: você acumula pontos nas compras que faz na loja e ao atingir 1700 pontos tem R$ 55 de desconto.

Para se inscrever, é necessário ir a uma loja e preencher a ficha de cadastro. Você receberá um cartão e toda vez que fizer uma compra, informe o número do seu CPF para acumular pontos. Cada R$ 1 em compras corresponde a 1 ponto. Quando somar 1700 poderá obter o desconto.

Só um detalhe, há prazo de expiração para os pontos. É bom se informar sempre nas lojas sobre isso porque o prazo está relacionado a campanhas que eles promovem. Já obtive descontos diversas vezes, isso porque sempre gasto muito lá. Alô Cobasi, quero mais benefícios :-P.

Você pode também resgatar outros produtos. 700 pontos dão direito a um diário pet e 800 a uma ecobag. O regulamento completo pode ser consultado aqui.

Pet Center Marginal – O programa de fidelidade do Pet Center Marginal é um pouco diferente. Ao comprar R$ 150 ou mais você ganha um abatimento de 10% na compra do mês seguinte.

Segundo o regulamento, para participar você deve efetuar o cadastro em uma das lojas do grupo. O cupom só é válido nas lojas físicas para adquirir produtos. E o prazo de validade é, impreterivelmente, até o último dia do mês seguinte ao da compra.

Gentle Leader, a solução para os passeios

Vamos combinar, não é difícil ver nas ruas filhos cães “levando” pais e mães para passear. Especialmente quando são de porte médio e grande e não adestrados, os fofos costumam mandar mesmo nos passeios.

Eu tive esse problema com dois dos meus quatro filhotes, o Toddy e o Theo, e consegui solucionar usando um tipo de coleira chamada Gentle Leader.

A aparência não é das mais agradáveis, mas a eficiência é 10. Ela funciona como um cabresto para cavalo, controlando a cabeça do cão e, por consequência, o corpo.

O que acontece é que, por conta da sua anatomia, quando o cão puxa, usando esse tipo de coleira, ele automaticamente vira cabeça para trás, em direção ao condutor. Trata-se de um movimento suave, mas que faz com que ele pare de puxar.

Período de adaptação – Para mim, a parte mais chata da Gentle é o período de adaptação. Dificilmente, o pet aceita a colocação dessa coleira logo de cara por causa do anel que fica em volta do focinho.

Então, antes de sair por aí de Gentle, você terá de fazer um pequeno treino. Pegue um petisco e ofereça ao filho cão por dentro do anel que vai no focinho (eu mostro no vídeo). Faça isso algumas vezes para ele ter uma associação positiva com a coleira. Ou seja, ele começa a associar a “chatice” ter de algo em volta do focinho com uma coisa boa, o petisco.

Depois desse treinamento, comece a fechar a coleira no pescoço e depois coloque a guia. Dê umas voltinhas pela casa mesmo para ele se acostumar e só depois vá para a rua. Você vai ver que logo, logo não precisará mais dar o petisco porque a recompensa por usar a coleira será o próprio passeio.

Segundo o fabricante oficial, para ajustar, você deve deixar a tira do focinho solta, enquanto aperta a tira do pescoço. Ela deve fica alta, tocando a base das orelhas e acima do pomo de adão. Ela tem de ficar apertada o suficiente de maneira que não dê para rodá-la. Já o arco que fica em volta da boca deve permanecer bem solto. O cão deverá consiguir abrir a boca para comer, beber água, latir e até morder. Isso é muito importante, a Gentle Leader não é uma focinheira.

Gentle Leader (vermelha) e enforcador
Gentle Leader (vermelha) e enforcador

Um incidente – Como o objetivo do Meu Filho Cão é trocar experiências reais com outros pais e mães e não vender produtos, devo contar que tive um incidente com a Gentle Leader.

Certo dia, quando já estava bem acostumado com a coleira, o Toddy ficou bravo com dois cachorrinhos que latiram muito pra ele e se soltou. Levei um susto, mas não aconteceu nada. Mas desde esse episódio, orientada por uma adestradora, comecei a usar um enforcador associado à Gentle e deu certo.

O enforcador funciona como um item a mais de segurança e usado junto com a Gentle não causa aqueles enforcamentos horrorosos no cão. Bem, pelo menos comigo, nunca aconteceu. Se o cão puxa, automaticamente, ele vira a cabeça por causa da Gentle, então, não é enforcado bruscamente, como ocorre se você usa só o enforcador.

Se vocês derem uma olhada no site do fabricante da Gentle, vão ver que eles têm uma nova coleira que também promete passeios suaves com o filho cão, a Easy Walk. Nunca testei, mas pretendo comprá-la em breve. Quem sabe é uma solução ainda melhor.

A Gentle oficial é vendida no Brasil pelo site www.bitcao.com.br. Só quero alertá-los que comprei as minhas por meio da adestradora e não pelo site. Então, não conheço a eficiência do vendedor. Ah, e há outros fabricantes de coleiras “tipo” Gentle, mas também não sei se são tão boas quanto as oficiais.