Como ensinar o senta

DJ, Theo e Toddy no 'senta' para ganhar petisco
DJ, Theo e Toddy no ‘senta’ para ganhar petisco

Antes de adestrar meus filhos cães, tinha uma opinião bem diferente da que tenho hoje sobre a importância dos comandos. Achava que ensiná-los aos cachorros servia simplesmente como um truque bonitinho para mostrar aos amigos. Minha visão mudou completamente quando contratei uma adestradora. Aprendi que além de fofos, os comandos são o melhor meio de comunicação entre donos e cães, além de estimular a obediência (sim, é importante).

Vamos fazer um paralelo com o mundo dos humanos. É mais legal ter um filho humano que se debate no chão por um brinquedo ou é melhor que ele saiba que para ganhar presentes tem de ter bom comportamento, como por exemplo, sempre deixar a lição de casa em dia? Claro que todos preferem a segunda situação.

É a mesma coisa com os cães. Bem melhor ter um pet que saiba que para ganhar uma bolinha ou um petisco deverá “fazer a lição de casa”. E essa lição pode ser um senta, um deita, um dá a pata, ou seja, um comando que associe bom comportamento a recompensa.

Bem, então, depois dessa justificativa, vou mostrar para vocês como ensinar o senta, um comando básico que todo cachorro deve saber.

Munido de um petisco, se posicione em frente ao seu filho cão. Segure a guloseima canina próximo ao focinho e faça um movimento levando a mão para a parte traseira dele. Ele tentará olhar para a sua mão, seguindo o petisco, e, para ficar em uma posição melhor, sentará. Assim que ele sentar, entregue a recompensa.

 

Repita o exercício algumas vezes e, assim que o seu filho já tiver assimilado melhor, introduza a palavra “senta”. Diga a palavra junto com o movimento. Assim ele aprenderá o comando gestual e verbal.

Clicker – Eu gosto de associar o clicker ao aprendizado de comandos para os meus filhos cães. O clicker é um barulho muito específico usado no adestramento de animais, que o associam com a recompensa.

Esse barulho pode ser emitido por uma caixinha plástica ou com a boca. Claro que o barulho produzido pelo objeto é mais bem feito.

Bem e por que o clicker é uma ferramenta interessante? Porque ele indica para o animal o exato momento em que ele receberá a recompensa por ter acertado o comando. Para ensinar o senta, é até possível não usar o clicker, por se tratar de um comando simples. Mas, na maioria das vezes,  o aprendizado é inviável sem o uso dessa técnica.

No senta, o click deve ser emitido assim que o filho cão encostar o bumbum no chão para sentar. Então, você clica e entrega a recompensa, mostrando que ele acertou. Legal, né?

Andar de carro pode ser um drama

Vamos logo, mommy
Vamos logo, mommy

A imagem do cão com a cabeça para fora da janela do carro tomando vento no focinho deve ser uma das mais associadas à felicidade canina. Mas, na verdade, nem todos os cães amam andar de carro. E alguns apresentam reações até bem desagradáveis, como enjoos e tremedeiras, e esse foi um dos problemas que tive que resolver com a DJ.

Quando a adotei, ela tinha, segundo estimativa da veterinária, cerca de um ano. Bem claramente deu para perceber que a DJ não havia sido acostumada desde filhote a algumas situações, entre elas a andar de carro.  A primeira vez que levamos a bichinha para passear foi um verdadeiro desastre. Tinha na cabeça só a experiência com o Ozzy, que desde pequeno foi habituado a passeios motorizados, e alimentei-a poucos antes de sair. Resultado: a pobrezinha vomitou todo o jantar após uns cinco minutos dentro carro.

Era uma situação realmente preocupante. Ela, além de vomitar, tremia horrores no banco de trás, então precisava resolver rápido. Orientada pela adestradora Juliana Yuri, da Cão Cidadão, comecei o trabalho para dessensibilizar a DJ. O primeiro passo foi levá-la até o carro, entrar e não ligar o motor. Dava um petisquinho, que inicialmente ela não aceitava porque ficava nervosa, ou um ossinho, fazia uma festinha e saía. Quando ela já estava confiante, aceitando até comida, eu iniciei pequenas voltas pelo bairro e fui aumentando gradativamente a distância.

Vez ou outra, ela ainda babava. Então evitava dar comida, pelo menos, duas horas antes. Outra tática era levá-la a lugares legais de carro, como à pracinha, por exemplo.

Aos poucos, ela foi se acostumando e hoje está bem habituada. Na nossa viagem para Maresias (que eu contei aqui), ela foi super bem. Nem babou. mas para ajudá-la dei um remedinho anti-enjoo.

Já o Toddy “figura”, que nunca havia passado mal, bebeu um litro d’água na volta e ‘chamou o Juca’.  A melhor parte é que ele não queria pisar, ficou com ‘nojinho’. Tivemos de parar o carro para limpar e só depois seguir viagem. Pode?

Abaixo, um videozinho dele, que ama andar de carro. Só, esclarecendo, eles passeiam no carro sempre com peitoral e guia amarrada no banco de trás. Esse dia, demos uma “colher de chá” pra ele, deixando a guia mais solta, pois foi praticamente uma volta no quarteirão. Um sucesso essa cara peluda na janela.

Aprenda a fazer um brinquedo com garrafa pet

Hoje vou mostrar para vocês um brinquedo, simplesmente, adorado pelos meus filhos cães: a garrafa pet com petiscos.

Para fazer o brinquedo é muito simples, você só precisará de uma garrafa de plástico, petiscos e uma faca. Vamos lá:

– Lave a garrafa e retire o rótulo (passos 1 e 2).
– Em seguida, faça furos. No início, eles devem ser maiores. Mas quando o pet se acostumar ao brinquedo, diminua o tamanho para garantir a diversão por mais tempo (passo 3).
– Depois coloque os deliciosos petiscos dentro da garrafa (passo 4).
– Agora é só entregar (passo 5).

Passo a passo da montagem da garrafa
Passo a passo da montagem da garrafa

A seguir, um videozinho do Toddy  e da DJ se acabando com uma garrafinha. Pura diversão :-).

Ah, você pode substituir os petiscos por ração. É uma forma de alimentar seu filho e, de quebra, garantir que ele faça exercício mental

Xixi no lugar certo

Para inaugurar a troca de experiências no Meu Filho Cão, vou contar como resolvi um dos problemas mais comuns entre donos de cães de estimação: o xixi.

Quando adotamos o Toddy, ele, como bom macho jovem e não castrado, fazia xixi por toda a casa. Tapetes, cortinas e pés das mesas eram os alvos preferidos do meu galã.

Flagrante do xixi no lugar certo.
Flagrante do xixi no lugar certo.

Orientada por uma adestradora, comecei a usar um método baseado no reforço positivo.

O primeiro passo foi escolher um local longe da água e da comida. Os cães são bichos limpinhos e não gostam de fazer suas necessidades no local onde comem.

Fiz um quadrado grande com um tapete higiênico e jornais na lavanderia. Quando conseguia flagrar um xixi certo, muitos “parabéns” e recompensa com petisco. Se ele errava, eu ignorava totalmente, tirava-o do ambiente e limpava.

Nesse ponto, uma questão importante, não havia broncas, só elogio quando ele acertava. Diz o especialista em comportamento animal Alexandre Rossi no livro “Adestramento Inteligente”: “Os donos não percebem, mas muitas vezes, ao dar uma bronca em seus cachorros, estão lhes dando exatamente o que pretendiam: atenção! Outros entendem que fazer xixi é errado e começam a se aliviar somente quando não estamos olhando ou em locais escondidos”.

Também tentava, quando ele se aproximava do jornal, falar diversas vezes a palavra “xixi”. Sinceramente, não tenho certeza se ele associou o ato à palavra, mas fato é que bem pouco tempo depois, cerca de 15 dias, já quase não havia xixi em lugar errado.

Confinamento

Durante esse curto período de treinamento, tentei também deixá-lo confinado na “área do xixi” após as refeições. O que muitos adestradores dizem é que criar uma rotina é legal. Por exemplo, comida-água-xixi.

Gente, que dó. Mesmo ficando no mesmo ambiente que ele essa tática não deu certo. Ele ficava me olhando com uma cara de “ué, por que a gente está aqui?” E não rolou um xixi sequer.

Mas, tudo bem, o outro exercício deu certo. Lógico, requer um pouco de dedicação correr atrás do filho cão sempre quando ele se dirige ao local do “crime”. Porém, melhor fazer isso por alguns dias do que encontrar xixi pela casa toda, né?

Ah, e nunca deixei de dar “parabéns”, vez ou outra, pelo xixi no lugar certo.