Andar de carro pode ser um drama

Vamos logo, mommy
Vamos logo, mommy

A imagem do cão com a cabeça para fora da janela do carro tomando vento no focinho deve ser uma das mais associadas à felicidade canina. Mas, na verdade, nem todos os cães amam andar de carro. E alguns apresentam reações até bem desagradáveis, como enjoos e tremedeiras, e esse foi um dos problemas que tive que resolver com a DJ.

Quando a adotei, ela tinha, segundo estimativa da veterinária, cerca de um ano. Bem claramente deu para perceber que a DJ não havia sido acostumada desde filhote a algumas situações, entre elas a andar de carro.  A primeira vez que levamos a bichinha para passear foi um verdadeiro desastre. Tinha na cabeça só a experiência com o Ozzy, que desde pequeno foi habituado a passeios motorizados, e alimentei-a poucos antes de sair. Resultado: a pobrezinha vomitou todo o jantar após uns cinco minutos dentro carro.

Era uma situação realmente preocupante. Ela, além de vomitar, tremia horrores no banco de trás, então precisava resolver rápido. Orientada pela adestradora Juliana Yuri, da Cão Cidadão, comecei o trabalho para dessensibilizar a DJ. O primeiro passo foi levá-la até o carro, entrar e não ligar o motor. Dava um petisquinho, que inicialmente ela não aceitava porque ficava nervosa, ou um ossinho, fazia uma festinha e saía. Quando ela já estava confiante, aceitando até comida, eu iniciei pequenas voltas pelo bairro e fui aumentando gradativamente a distância.

Vez ou outra, ela ainda babava. Então evitava dar comida, pelo menos, duas horas antes. Outra tática era levá-la a lugares legais de carro, como à pracinha, por exemplo.

Aos poucos, ela foi se acostumando e hoje está bem habituada. Na nossa viagem para Maresias (que eu contei aqui), ela foi super bem. Nem babou. mas para ajudá-la dei um remedinho anti-enjoo.

Já o Toddy “figura”, que nunca havia passado mal, bebeu um litro d’água na volta e ‘chamou o Juca’.  A melhor parte é que ele não queria pisar, ficou com ‘nojinho’. Tivemos de parar o carro para limpar e só depois seguir viagem. Pode?

Abaixo, um videozinho dele, que ama andar de carro. Só, esclarecendo, eles passeiam no carro sempre com peitoral e guia amarrada no banco de trás. Esse dia, demos uma “colher de chá” pra ele, deixando a guia mais solta, pois foi praticamente uma volta no quarteirão. Um sucesso essa cara peluda na janela.

Aprenda a fazer um brinquedo com garrafa pet

Hoje vou mostrar para vocês um brinquedo, simplesmente, adorado pelos meus filhos cães: a garrafa pet com petiscos.

Para fazer o brinquedo é muito simples, você só precisará de uma garrafa de plástico, petiscos e uma faca. Vamos lá:

– Lave a garrafa e retire o rótulo (passos 1 e 2).
– Em seguida, faça furos. No início, eles devem ser maiores. Mas quando o pet se acostumar ao brinquedo, diminua o tamanho para garantir a diversão por mais tempo (passo 3).
– Depois coloque os deliciosos petiscos dentro da garrafa (passo 4).
– Agora é só entregar (passo 5).

Passo a passo da montagem da garrafa
Passo a passo da montagem da garrafa

A seguir, um videozinho do Toddy  e da DJ se acabando com uma garrafinha. Pura diversão :-).

Ah, você pode substituir os petiscos por ração. É uma forma de alimentar seu filho e, de quebra, garantir que ele faça exercício mental

Roupinhas baratas em SP e na internet

 

Roupinhas da roupadecao.blogspot.com
Roupinhas da roupadecao.blogspot.com

Eu ponho roupinhas nos meus filhos cães, mas, sempre respeitando um princípio básico: o conforto deles. Tenho uns parâmetros. Como São Paulo tem dias mais frios, quando há uma mudança brusca de temperatura ou faz menos de 15 graus, eu coloco roupinha.

Na minha opinião, ela não é um item essencial, especialmente, para cães de apartamento. Mas é inegável que os nossos filhotes ficam fofos agasalhados. E noto que também mais confortáveis. Em casa, vejo que a DJ e o Theo, que são mais magrelos, costumam ficar encolhidos quando está frio. E vocês sabem que, às vezes, cobri-los com cobertor não adianta, os danadinhos se descobrem.

Roupinhas para cães na 25 de Março

Bem, pensando sob esse aspecto, roupa não é essencial, mas é bom ter algumas para os dias mais frios, fui atrás de algumas opções BBB (boas, bonitas e baratas) em São Paulo. Gente, não está fácil, cheguei a ver roupas custando até R$ 100. Para mim, um absurdo. Fui, então, à 25 de Março, rua da pechincha em São Paulo. Lá, encontrei algumas bancas com modelos muito bonitinhos, especialmente para os cães menores. Na própria 25 há, pelo menos, três bancas. Elas ficam na calçada dos números pares, após o Armarinhos Fernando.

As roupas custam de R$ 10 a R$ 25. Fui durante o inverno, então, a maioria eram de soft, mas acredito que eles produzam modelos mais leves durante o verão. Infelizmente, não há tantas opções para cães de médio e grande porte. Vi, por exemplo, uma camisa xadrez fofa, mas só em tamanho pequeno. Há outra banca na Ladeira da Constituição, também com mais modelos para pets menores.

Outra opção para comprar roupinhas em conta é a Lojas Mel. Lá vi modelos que custam entre R$ 14,99 e R$ 39,99. A roupa mais cara era um vestido grande de soft e a mais barata um modelo para macho nº 1. Não há muita variedade, mas lá dá pra pagar com cartão, o que facilita. Na 25 de Março só é possível pagar com dinheiro.

DJ de vestidinho. Fofa!
DJ de vestidinho. Fofa!

Agora o meu grande achado foi uma banca na feirinha da Praça da República. Encontrei-a fazendo buscas na internet. O dono da banca mantém um blog, o roupadecao.blogspot.com.br. Ele expõe na Praça da República aos domingos e numa feirinha na Vila Maria em outros dias da semana. E também vende pela internet. As roupas custam entre R$ 5 e R$ 10 (VIVA!) e são de muito boa qualidade. Gostei muito do corte delas, não ficam apertadas no entorno das patas dianteiras, tão pouco no pescoço, como já aconteceu com algumas que comprei. Há roupas de soft e de algodão, e o Rafael, um dos proprietários da banca, me garantiu que eles estão diversificando a produção. Boa opção, recomendo.

Serviço

  • Lojas Mel em São Paulo

– Avenida Jabaquara, 2524 (São Judas)

– Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira, 1065 (Conceição)

– Rua Greenfeld, 263 (Sacomã)

– Rua Domingos de Moraes, 2408 (Santa Cruz)

– Rua Teodoro Sampaio, 2543 (Faria Lima)

  • Lojas Mel em São Bernardo

– Rua Marechal Deodoro, 793

 

  • Barracas do roupadecao.blogspot.com.br

– Praça da República (aos domingos)

– Praça Santo Eduardo, na Vila Maria (às quintas e sábados)

 

Hospitais 24h em São Paulo e Guarulhos

Bem verdade que gostaríamos de nunca precisar. Mas, infelizmente, problemas de saúde ocorrem e é sempre bom ter uma referência de hospital. Pensando nisso, listei abaixo hospitais que ficam abertos 24 horas em São Paulo e Guarulhos. Eles estão separados por região.

  • Zona Sul

Sena Madureira(Vila Mariana) – Rua Sena Madureira, 898, tel: 5572-8778/5907-8668,  senamadureira.com

Pet Care (Ibirapuera) – Avenida República do Líbano, 270, tel: 3050-2273, petcare.com.br

Pet Care (Morumbi) – Avenida Giovanni Gronchi, 3001, tel: 3740-2152, petcare.com.br

Instituto Dog Bakery (Itaim Bibi) – Avenida Nove de Julho, 4.493, tel: 3057-0200, institutodogbakery.com.br

  • Zona Oeste

Hospital Veterinário Rebouças (Jardim Paulista) – Avenida Rebouças, 861, tel: 3062-3011, vetreboucas.com.br

Pompéia Clínica (Pompéia) – Avenida Pompéia, 737, tel: 3673-9455

  • Zona Leste

Tigre D’Água (Vila Matilde) – Rua Joaquim Marra, 1.397, tel: 2651-6199/9879

Animaniac’s (Vila Matilde) – Avenida Pasteur, 50, tel: 2653-1667, animaniacs.com.br

Center Dog Veterinário (Mooca) – Rua Cel. Joviniano Brandão, 627, tel: 2274-3632, centerdog.com.br

  • Zona Norte

Hospital Santa Inês (Santana) – Avenida Santa Inês, 1.357, tel: 2265-6911, santainesvet.com.br

Pet Center Marginal (Pari) – Rua Guarantã, 55, tel: 2797-7400, petcentermarginal.com.br

  • Guarulhos

São Francisco (Vila Progresso) – Avenida Ns. Mãe dos Homens, 692, tel: 2229-0026/2937-2600, saofranciscoclinica.com.br

Bom Clima (Bom Clima) – Avenida Tiradentes, 3061, tel: 2229-9784, hovetbomclima.com.br

Hospedagem em pousada pet friendly

 

João, o hostess da pousada Pura Vida
João, o hostess da pousada Pura Vida

Nas nossas últimas férias, em agosto desse ano, eu e meu marido levamos dois dos nossos filhos, o Toddy e a DJ, para uma pousada pet friendly em Maresias, São Paulo.

A experiência foi ótima, uma verdadeira viagem em família. A pousada, que se chama Pura Vida, oferece uma hospedagem digna para quem tem filhos de quatro patas. Os cães ficam nos quartos com os donos e podem circular nas áreas comuns, desde que presos na coleira. Eles cobram uma taxa única de R$ 25 por animal.

Logo na entrada, você já se encanta com o hostess do local, o João. Um simpático golden retriever, bastante tranquilo. Na pousada, também mora um gatinho. Fotos de hóspedes de quatro patas no mural e um pote com biscoitos caninos na recepção mostram que os donos, realmente, querem receber bem os nossos filhos cães.

Chegamos a ver algumas outras opções de pousadas que se dizem pet friendly. Em algumas delas, os cachorros ficam em canis, outras dizem que só aceitam animais pequenos. Vocês acreditam? Para mim, esses não são locais, que por essência, são receptivos com os cães. Eu nunca deixaria meus filhos num canil. E nessas que só aceitam cães pequenos também não poderia me hospedar com eles, que têm tamanhos médio e grande.

Nossos dias por lá – Nós nos hospedamos na suíte Flat Acqua. Gostei do espaço. O quarto tem uma cozinha conjugada com uma pequena sala, além de um quintalzinho com um ofurô. Pura diversão. Meu marido chegou a entrar com eles no ofurô. O Toddy ficou com um pouco de medo, para nossa surpresa, mas a DJ pareceu ter gostado.

Banho de ofurô. O Toddy ficou com medo *rs*
Banho de ofurô. O Toddy ficou com medo *rs*

Para que a gente pudesse curtir a praia sozinhos, logo após o café da manhã, saíamos com os dois para um passeio grande. Eles voltavam devidamente exercitados e cansadinhos e só então íamos para a praia.

Passeio matinal na praia
Passeio matinal na praia

A ideia era que eles não latissem enquanto estavam sozinhos, e conseguimos ficar, 4h, 5h fora sem problemas. Por nossa conta, chegamos a deixar o número dos nossos celulares na recepção para o caso de latidos incômodos, mas nem tivemos problemas. À noite, fazíamos o mesmo esquema, saíamos com os dois para passear antes do jantar. Perfeito, após o passeio, eles dormiam como anjinhos.

Enfim, foi uma ótima experiência. Recomendo.